'Não sou um fantoche': Maduro gera bate boca entre premiê italiano e parlamentar belga

© Sputnik / Mikhail Klimentiev / Abrir o banco de imagensIl premier italiano Giuseppe Conte
Il premier italiano Giuseppe Conte - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, criticou as alegações feitas por um legislador-chefe da União Europeia (UE) de que ele é um "fantoche" dos líderes do partido de coalizão de seu país, depois de declarar que o bloco "perdeu contato" com seu povo.

O Parlamento da UE testemunhou um bate-boca entre Conte, que estava fazendo seu discurso de estreia, e líderes parlamentares. Guy Verhofstadt dirigiu-se ao primeiro-ministro, dizendo que ele lamenta que a Itália tenha deixado de ser uma grande defensora da Europa "para o fim da fila".

Abominando o que ele vê como a "degeneração política da Itália", Verhofstadt acusou Conte de ser um "fantoche" de Luigi Di Maio, do Movimento Cinco Estrelas, e de Matteo Salvini, da Liga do Norte. Ele também afirmou que a Itália, às vezes, "se comporta de maneira anti-europeia, abertamente vingativa contra outros Estados membros".

O eurodeputado belga mais tarde sugeriu no Twitter que a Itália está sendo indevidamente influenciada pelo presidente russo Vladimir Putin, causando divisão na UE sobre a questão da legitimidade de Nicolás Maduro como presidente da Venezuela.

"Eu amo a Itália, é o lugar onde nossa civilização europeia nasceu. De ser um firme defensor da Europa, agora é o país que sob pressão de Putin impede a UE de se unir contra Maduro. É muito doloroso para mim ver tal degeneração política", escreveu Verhofstadt.

O belga estava respondendo à afirmação de Conte de que a UE estava hesitante sobre a questão da migração, insistindo que a Europa não poderia continuar com uma estratégia "emergencial" para a questão altamente polarizadora - acrescentando que o bloco perdeu sua conexão com as pessoas que serve.

Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, se dirige aos seus apoiadores  durante um ato em Caracas - Sputnik Brasil
Especialistas explicam motivos pelos quais Grécia e Itália não apoiam Guaidó

Conte rejeitou a caracterização de Verhofstadt, alegando que os deputados precisam ter cuidado com a linguagem que usam, e mantendo que ele não estava em dívida com poderosos grupos de interesses especiais.

"Eu não sou uma marionete, estou muito feliz em representar o meu povo. Os fantoches são aqueles que trabalham para lobbies e outros poderes, e esse não é o caso aqui", rebateu Conte.

O ministro do Interior da Itália, Matteo Salvini, respondeu no Twitter classificando o tratamento de Conte como "vergonhoso" e pediu aos eleitores que "mandem os deputados para casa" nas eleições europeias de maio.

"Que alguns burocratas europeus, cúmplices do desastre destes anos, se permitiram insultar o presidente do conselho, o governo e o povo italiano é realmente uma VERGONHA. Prepare as caixas, em 26 de maio os cidadãos vão mandá-lo para casa", declarou Salvini.

A troca de farpas vem depois de uma disputa diplomática entre a França e a Itália. Na semana passada, a França retirou seu embaixador de Roma após uma reunião entre o vice-primeiro-ministro da Itália e os líderes do movimento de manifestantes Coletes Amarelos, que pedem a renúncia do presidente francês Emmanuel Macron.

Salvini disse na segunda-feira que estava pronto para se encontrar com sua contraparte francesa "esta semana" para conversas após a briga entre os dois países membros da UE.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала