Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

EUA querem que militares 'traiam' Maduro, denuncia embaixador venezuelano na Rússia

© AP Photo / Marcelo GarciaPresidente da Venezuela, Nicolás Maduro, faz sinal com as mãos depois de chegar à base militar de Forte Tiuna, em Caracas, Venezuela, 30 de janeiro de 2019
Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, faz sinal com as mãos depois de chegar à base militar de Forte Tiuna, em Caracas, Venezuela, 30 de janeiro de 2019 - Sputnik Brasil
Nos siga no
Os Estados Unidos querem que o Exército venezuelano "traia" o presidente Nicolás Maduro para facilitar uma mudança de governo, disse nesta terça-feira o embaixador venezuelano na Rússia, Carlos Rafael Faria Tortosa.

As tensões na Venezuela aumentaram quando Juan Guaidó, presidente da Assembleia Nacional, liderada pela oposição, declarou-se presidente interino em 23 de janeiro, disputando a reeleição de Maduro.

Soldados do exército da Venezuela - Sputnik Brasil
Ministro da Defesa diz que Venezuela não aceitará chantagem dos EUA com sanções

A declaração de Guaidó foi quase imediatamente reconhecida pelos Estados Unidos e alguns de seus aliados, com o primeiro prometendo renunciar a sanções punitivas contra oficiais militares venezuelanos se eles jurassem lealdade ao líder da oposição.

Rússia, China, México, entre outros, disseram que consideram Maduro o presidente legítimo da Venezuela e pediram a não-interferência.

"Eles estão olhando para as nossas forças armadas para trair nosso presidente", declarou o embaixador Tortosa em uma reunião na Câmara Alta do Parlamento russo.

Segundo o diplomata, Washington persegue esse objetivo, já que o povo norte-americano não apoiaria a invasão direta dos EUA à Venezuela.

Ele acrescentou que os Estados Unidos bloquearam as contas venezuelanas em uma tentativa de provocar a revolta das pessoas contra as autoridades em meio à crise econômica.

Militares venezuelanos (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
EUA poderiam atacar Venezuela através da Colômbia ou Brasil, segundo analista

O embaixador ressaltou ainda que a Constituição venezuelana não tem essa noção de presidente interino, convidando todos os interessados a estudar o documento.

"Todos eles — Guaidó, [o presidente dos EUA Donald] Trump e [o secretário de Estado dos EUA, Mike] Pompeo — afirmaram repetidas vezes que o artigo 233 supostamente fala [sobre o presidente interino]. Convido todos que estão interessados nisso — vamos ler o que está escrito lá. Não diz nada sobre isso. Esses também são métodos para enganar pessoas em todo o mundo", complementou.

O artigo 233 da Constituição venezuelana diz que se o presidente eleito "se tornar permanentemente indisponível" para desempenhar suas funções em caso de morte, renúncia, afastamento do cargo por decisão do Supremo Tribunal de Justiça e outros motivos listados na lei principal, o presidente da Assembleia Nacional assumirá a presidência até a eleição, que deverá ser realizada dentro de 30 dias.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала