Petroleira da Venezuela quer substituir executivos dos EUA em subsidiária

© AP Photo / Fernando LlanoEscultura de uma mão segurando uma bomba de óleo atrás da sede da empresa venezuelana PDVSA em Caracas
Escultura de uma mão segurando uma bomba de óleo atrás da sede da empresa venezuelana PDVSA em Caracas - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Depois que Washington reconheceu o autoproclamado presidente interino Juan Guaidó como um legítimo chefe da Venezuela, o Tesouro dos EUA bloqueou todos os ativos da petrolífera estatal venezuelana PDVSA e impôs a proibição de fazer negócios com ela.

De acordo com fontes citadas pela agência Reuters, a petroleira estatal venezuelana PDVSA planeja substituir pelo menos dois executivos norte-americanos no conselho de administração de sua subsidiária Citgo Petroleum Corp.

Juan Guaidó, autoproclamado presidente da Venezuela, durante a entrevista à agência AFP em Caracas, em 8 de fevereiro de 2019 - Sputnik Brasil
Guaidó não exclui 'autorizar' intervenção militar dos EUA na Venezuela
Na semana passada, o líder da oposição venezuelana Juan Guaidó anunciou que pediria à União Europeia que protegesse os bens do país, acrescentando que a nova liderança seria nomeada na Citgo, uma subsidiária da estatal venezuelana PDVSA, que enfrenta as sanções de Washington.

Caracas vem enfrentando uma crise política há muito tempo, tendo sido agravada com autoproclamação do líder da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó, como presidente interino do país no dia 23 de janeiro, enquanto o presidente reeleito Maduro culpa Washington de estar arquitetando um golpe de Estado.

Os EUA, a União Europeia e uma série de países da América Latina, inclusive o Brasil, manifestaram seu apoio a Guaidó e à oposição venezuelana. Nicolás Maduro recebeu apoio da Rússia, Cuba, México, Bolívia, Nicarágua, Turquia, Irã e de muitos outros países.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала