Dinossauro com espinhos nas costas é encontrado na Patagônia (FOTOS)

Nos siga noTelegram
A nova espécie encontrada na Patagônia se defendia com espinhos e viveu há 140 milhões de anos.

O dinossauro herbívoro, que viveu há 140 milhões de anos e foi chamado de "Bajadasaurus pronuspinax", se distingue por seus largos espinhos no pescoço e nas costas, que eram utilizados para se defender, foi descoberto na Patagônia argentina, em uma região conhecida como "parque jurássico" do Hemisfério Sul.

© REUTERS / Agustin MarcarianDinossauro Bajadasaurus pronuspinax
Dinossauro Bajadasaurus pronuspinax - Sputnik Brasil
Dinossauro Bajadasaurus pronuspinax

A equipe de paleontólogos batizou a espécie de Bajadasaurus pronuspinax, que engloba duas alusões, sendo a localidade em que foi encontrado e os grandes espinhos inclinados através de seu pescoço.

Os saurópodes eram quadrúpedes que viveram entre o Triássico Superior e o final do Cretáceo Superior, caracterizados pelo seu grande tamanho e comprimento do pescoço, segundo a publicação da revista Scientific Reports.

​Olhe o novo saurópode que foi encontrado!!? Ele é chamado de bajadasaurus e isso é muito legal!

Pablo Gallina, pesquisador do Conselho Nacional de Pesquisas Científicas e Técnicas (CONICET) e da Fundação Félix de Azara da Universidade Maimónides, acredita que "[…] os longos espinhos pontiagudos, extremamente longos e finos, no pescoço e nas costas deviam servir para afastar possíveis predadores".

Além do Bajadasaurus, o grupo de saurópodes é composto pelo Amargasaurus cazaui, uma espécie que habitou o continente sul-americano 15 milhões de anos depois do Bajadasaurus. Além disso, a espécie Amargasaurus foi encontrada na década de 1980, no estado de Neuquén pelo paleontólogo argentino José Bonaparte.

Imagem de dinossauro (imagem referencial) - Sputnik Brasil
Dinossauro até então desconhecido estava 'se escondendo' em opalas na Austrália
O pesquisador também acredita que as estruturas de osso nuas ou forradas unicamente de pele poderiam ter sofrido rompimentos ou fraturas facilmente com um golpe, ou ao serem atacados por outros animais, sugerindo que "os espinhos tiveram que ser protegidos por uma córnea de queratina, assim como nos chifres de diversos mamíferos".

O estudo também sugere que o estado do crânio é o melhor em termos de preservação, para um dinossauro. Os pesquisadores afirmaram que estes herbívoros passavam grande parte do tempo se alimentando de plantas localizadas no solo, enquanto que suas órbitas oculares permaneciam próximas da parte superior do crânio, permitindo o controle do que acontece ao seu redor.

Concluindo, o pesquisador cita que uma das grandes importâncias do estudo é a oportunidade de "[…] conhecer um pouco mais sobre os dinossauros que habitaram a Patagônia argentina antes mesmo do reinado exercido durante o Cretáceo Superior […]".

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала