Oposição deve voltar às ruas da Venezuela ao longo da semana

© REUTERS / Carlos Garcia RawlinsManifestante joga bomba de gás lacrimogêneo de volta contra Guarda Nacional venezuelana durante protesto em Caracas, Venezuela, em 21 de janeiro de 2019
Manifestante joga bomba de gás lacrimogêneo de volta contra Guarda Nacional venezuelana durante protesto em Caracas, Venezuela, em 21 de janeiro de 2019 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Juan Guaidó, o líder da Assembleia Nacional da Venezuela e autoproclamado presidente interino do país convocou seus apoiadores para saírem às ruas e protestarem contra o presidente Nicolás Maduro.

Novos protestos estão marcados para a quarta-feira (30) e para o sábado (2), segundo Guaidó.

"Na quarta-feira, um protesto de massa será realizado e conto com o povo da Venezuela para tomar as ruas", disse Guaidó em um vídeo postado no Twitter.

Ele também afirmou que os protestos pretendem promover o respeito aos direitos humanos no país.

A então ministra da Defesa da Austrália, Marise Payne, em visita ao Pentágono, em Washington, nos EUA, em setembro de 2017. - Sputnik Brasil
Austrália reconhece Guaidó como presidente interino na Venezuela
Na última segunda-feira (21), protestos foram realizados na Venezuela e reverberaram ao longo da semana. Na terça-feira (22) a Assembleia Nacional venezuelana, controlada pela oposição, declarou Maduro um usurpador e no dia seguinte, o líder do Parlamento, Juan Guaidó, se autoproclamou presidente interino do país.

Guaidó conseguiu apoio externo de países como Brasil, Argentina e Estados Unidos.

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, afirmou, por sua vez, que os EUA estão orquestrando um golpe em seu país e cortou relações diplomáticas com os norte-americanos.

A Rússia, assim como a China, declarou apoio à legitimidade do mandato de Maduro, que venceu as últimas eleições presidenciais na Venezuela.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала