Realização do cenário militar na Venezuela se tornará uma catástrofe, diz Moscou

© REUTERS / Carlos Garcia RawlinsManifestantes por trás de uma barricada em chamas durante protestos em Caracas, Venezuela
Manifestantes por trás de uma barricada em chamas durante protestos em Caracas, Venezuela - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A realização de um cenário militar na Venezuela, onde a crise política está se agravando, se tornará uma catástrofe, advertiu o vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Ryabkov.

"Apelamos, não apenas aos EUA, mas a todos os que possam estar envolvidos na realização dessas ideias para se absterem dessas ações. O uso da força militar pode se tornar catastrófico", disse o diplomata em uma entrevista à emissora americana CNN.

Além disso, Ryabkov acrescentou que as ações dos EUA em relação a Caracas atiçam ainda mais a crise na Venezuela.

"Estamos enfrentando um cenário que, se for realizado, pode levar a mais derramamento de sangue na Venezuela", afirmou o vice-chanceler, acrescentando que uma intervenção militar apenas "colocará mais lenha na fogueira".

Líder da oposição, Juan Guaidó, durante manifestação em Caracas, Venezuela - Sputnik Brasil
'Abraço de anaconda' dos EUA: analistas avaliam o que está por trás da crise na Venezuela
Em 23 de janeiro, o presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó, se proclamou presidente interino da Venezuela. Os EUA e uma série de outros países, inclusive o Brasil, reconheceram Guaidó como presidente da Venezuela. O atual líder venezuelano, Nicolás Maduro, afirma se manter como chefe de Estado constitucional e chamou Guiadó de “marionete dos EUA”. 

Os EUA, Brasil, Canadá, Argentina, Peru, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Honduras, Panamá, Paraguai, Chile e Geórgia reconheceram Guaidó como presidente da Venezuela. A Rússia, China, Cuba, México, Bolívia, Nicarágua, Turquia e Irã apoiam a permanência de Maduro.

Moscou declarou que seu posicionamento sobre o reconhecimento de Nicolás Maduro como presidente legítimo da Venezuela não mudaria, assinalando que a postura dos países ocidentais mostra a forma como eles encaram o direito internacional, a soberania e a não interferência nos assuntos internos dos outros países.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала