Economia mundial está perdendo força e 'riscos estão aumentando', declara chefe do FMI

© REUTERS / Jason LeeNotas de euro, dólares americanos e de Hong Kong, libras e yuan chinês
Notas de euro, dólares americanos e de Hong Kong, libras e yuan chinês - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A economia mundial está perdendo força em comparação com os dados obtidos em 2018, cujo crescimento global foi de 3,7%, comunicou o Fundo Monetário Internacional (FMI).

A organização informou na segunda-feira (21) que as previsões para este ano e para o ano seguinte é de queda de 0,2 a 0,1 pontos porcentuais, o que equivale a um crescimento de 3,5% para 2019 e de 3,6% para 2020.

A diretora-geral do FMI, Christine Lagarde, disse no Fórum Econômico Mundial, realizado em Davos (Suíça), que "após dois anos de expansão sólida, a economia mundial está crescendo mais lentamente do que o esperado e os riscos estão aumentando".

Os riscos para as perspectivas apresentadas pela instituição internacional se devem principalmente às tensões comerciais entre países, como a China e os EUA. Segundo o informe, caso esses Estados resolvam suas diferenças sem levantar mais barreiras comerciais, o cenário poderá melhorar.

​Estas são as previsões mundiais de crescimento do FMI

Outro fator determinante nesse processo de riscos econômicos foi a saída do Reino Unido da União Europeia e a desaceleração maior do que a esperada na China.

Já as previsões para a América Latina e Caribe são diferentes: esta região deverá crescer 2 % em 2019 e 2,5% em 2020, em comparação com 1,1% registrado em 2018.

A primeira-ministra britânica Theresa May deixa conferência de imprensa após uma extraordinária cúpula do Brexit realizada pela União Europeia. - Sputnik Brasil
Brexit pode afetar economia brasileira, diz especialista
Para o Brasil é esperado que a recuperação gradual continue, principalmente após a recessão dos anos anteriores, enquanto para a Argentina, a retomada da economia deve ocorrer em 2020.

Portanto, o FMI assinala, entre as medidas prioritárias, que os países devem cooperar e resolver prontamente os desacordos comerciais, estimular a produtividade, resolver as disputas sem recorrer a barreiras alfandegárias, bem como aumentar a participação da força laboral, em particular das mulheres e jovens.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала