Nova estratégia de defesa antimíssil deixa EUA sem proteção, segundo revista americana

Nos siga noTelegram
A recém-adotada estratégia de desenvolvimento do sistema de defesa antimíssil não permitirá que os EUA se protejam de um ataque nuclear maciço e, portanto, não garante sua sobrevivência em caso de um conflito de grande escala, segundo a revista americana Forbes.

O autor da matéria, Loren Thompson, se mostra preocupado que os EUA invistam em sua defesa antimíssil quase dez vezes menos que no apoio militar ao governo do Afeganistão. Enquanto isso, segundo ele, a retaliação a um possível ataque maciço com mísseis por parte da Rússia e da China seria dificultada. O autor frisou que os militares norte-americanos não consideram tal possibilidade devido à garantia de uma resposta dos EUA.

"Trinta anos de investimentos modestos em tecnologias defensivas nos levaram àquela situação em que poderíamos derrotar um ataque de tais países pouco sofisticados como a Coreia do Norte", segundo o autor do artigo.

Lançamento de míssil balístico do complexo tático-operacional Iskander-M no polígono Kapustin Yar, na região de Astrakhan (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Mídia americana aponta que arma da Rússia é mais mortífera que a nuclear
"Caso os EUA construírem um sistema defensivo com duas camadas de interceptores que os mísseis ofensivos têm de penetrar, e cada camada seja 80% eficaz, teoricamente só uma em 25 ogivas de um ataque atingirá os alvos previstos", escreveu.

A nova estratégia do Pentágono para o desenvolvimento da defesa antimíssil prevê o posicionamento no espaço de seus elementos (sensores e interceptores). Além disso, está previsto reforçar o grupo de defesa antimíssil no Alasca, onde o número total de antimísseis será de 64, e a instalação lá de novos radares e sensores de detenção imediata de mísseis estrangeiros.

Entretanto, segundo a edição, a realização deste plano também pode levar décadas, ou até mais, enquanto os ciclos políticos são mais curtos que os de desenvolvimento de tecnologias defensivas. Portanto, Thompson ressalta que uma nova administração até pode rever essa estratégia.

O autor conclui que daqui a vários anos surgirão novas tecnologias ofensivas, inclusive hipersônicas, mas a estratégia de defesa antimíssil também deve atender os desafios do futuro, o que ela atualmente não faz.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала