Saída dos EUA do Tratado INF põe em risco acordo de não proliferação, diz chanceler russo

© AFP 2022 / BRENDAN SMIALOWSKIUm míssil nuclear ICBM Titan II desativado é visto em um silo no Missile Museum Titan. 12 de maio, 2015, Green Valley, Arizona.
Um míssil nuclear ICBM Titan II desativado é visto em um silo no Missile Museum Titan. 12 de maio, 2015, Green Valley, Arizona. - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A retirada dos EUA do Tratado das Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF) vai pôr em risco o Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares, disse o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov.

"É óbvio que o colapso desse Tratado terá as consequências mais negativas para a estabilidade estratégica global", declarou Lavrov em uma coletiva de imprensa com seu homólogo alemão, Heiko Maas.

De acordo com o chanceler russo, após a saída dos EUA do Tratado INF "toda a arquitetura de controle de armas está em risco, incluindo o Tratado de Redução de Armas Estratégicas (START) e as perspectivas de desarmamento nuclear, bem como a estabilidade do Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares", explicou o ministro russo.

Forças armadas da Rússia (imagem referencial) - Sputnik Brasil
Lavrov: Rússia não está interessada na corrida armamentista e em novas 'crises de mísseis'
Segundo Lavrov, apesar do "fracasso" das consultas russo-americanas de 15 de janeiro em Genebra sobre o futuro do Tratado INF, Moscou está disposta a dialogar para preservar este documento.

"A Rússia ainda está disposta a continuar um diálogo profissional com os fatos em mãos para salvar este Tratado crucial, que garante de forma significativa a estabilidade estratégica", revelou ele.

O ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Heiko Maas, por sua vez, declarou que Berlim fará todo o possível para garantir que o Tratado INF continue em vigor.

"Estamos muito interessados em preservar esse Tratado, isso afeta consideravelmente nossos interesses no campo da segurança, nosso governo federal faz todo o possível para que o pacto tenha um futuro", afirmou Maas.

Além disso, o ministro alemão opinou que é necessário ampliar o Tratado, incluindo nele outros países, por exemplo, a China.

"Não apenas a Rússia e os EUA como parceiros do Tratado, mas também outros Estados que trabalham nesse campo, não apenas a China, devem ser envolvidos em uma nova forma de controle internacional de armas e em uma nova arquitetura nesse campo", declarou Maas.

Base norte-americana de Ramstein, na Alemanha - Sputnik Brasil
Não queremos armas nucleares dos EUA aqui, diz ministro de Relações Exteriores da Alemanha
Em 16 de janeiro o vice-secretário de Estado dos EUA declarou que os EUA vão suspender suas obrigações no Tratado INF em 2 de fevereiro se a Rússia não apresentar provas de que está cumprindo o acordo.

O Tratado INF, assinado por Washington e Moscou em 1987, não tem data de expiração e proíbe as partes de terem mísseis balísticos terrestres ou mísseis de cruzeiro com alcance entre 500 e 5.500 quilômetros.

Nos últimos anos, Moscou e Washington têm se acusado regularmente de violar o Tratado INF. A Rússia declarou repetidas vezes que cumpre rigorosamente todas as obrigações dos termos do acordo. O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, observou que a Rússia tem sérios questionamentos em relação à implementação do Tratado pelos próprios norte-americanos. Segundo ele, as acusações dos EUA são infundadas, uma vez que o míssil 9M729 foi testado no alcance permitido pelo acordo.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала