Por que modificação genética do ser humano é inevitável?

CC0 / pixabay / Modelo de DNA (imagem de arquivo)
Modelo de DNA (imagem de arquivo) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Apesar dos protestos e manifestações de organizações sociais, a modificação genética em humanos será inevitável no futuro, afirma à Sputnik o biólogo russo Stanislav Drobyshevsky.

"Os cientistas aprenderam a modificar geneticamente plantas e alimentos. O próximo passo é a modificação genética do humano", destacou o professor de antropologia da Faculdade de Biologia da Universidade Lomonosov de Moscou.

"A engenharia genética permite ajustar os genes necessários e obter indivíduos com as características que precisam e isso não será assunto para décadas futuras, será muito mais rápido do que achamos", adicionou.

'Pai do DNA', James Watson dá palestra em Estocolmo, Suécia (arquivo) - Sputnik Brasil
'Pai do DNA' perde todos os títulos por defender que brancos têm QI maior que negros
O biólogo recorda que organizações sociais, principalmente as religiosas, opõem-se à modificação do genoma humano.

"Contudo, apesar destes protestos, a engenharia genética se transformará em parte de nossa vida em breve, pois, afinal de contas, a humanidade busca sobreviver e isso é impossível com uma procriação descontrolada e com um esgotamento de recursos naturais."

Há pouco tempo, cientistas chineses anunciaram o nascimento de duas meninas com o DNA modificado para que não contraíssem AIDS, apesar de tais experimentos serem proibidos no mundo inteiro, contou o professor.

"Neste momento estamos à beira da extinção, os recursos úteis da Terra estão diminuindo e os picos de produção de carvão e petróleo já foram ultrapassados. O problema populacional do planeta pode ser resolvido com métodos diferentes, incluídos na engenharia genética, e é evidente que ela será usada."

Múmia (imagem referencial) - Sputnik Brasil
DNA decifrado da múmia mais antiga das Américas revela origem dos índios modernos
Para Drobishevsky, caso essa mudança não aconteça, "a humanidade pode viver de forma indefinida em condições medievais, mas a expectativa de vida reduzirá a 30 anos e o nível de vida cairá bruscamente".

O antropólogo acredita que o homem do futuro terá solas dos pés parecidas com as patas de elefante (para se adaptar melhor ao caminhar) e que essa evolução é "iminente".

"O seu tamanho será menor, ele terá um colchão adiposo e a curvatura [do pé] desaparecerá, porque é desnecessária", prevê.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала