Boris Johnson: 'Cidadãos britânicos se sentirão traídos se Parlamento frustrar o Brexit'

© AP Photo / Tim IrelandManifestantes seguram cartazes e bandeiras na manifestação contra a "Traição ao Brexit", em frente às Casas do Parlamento em Londres.
Manifestantes seguram cartazes e bandeiras na manifestação contra a Traição ao Brexit, em frente às Casas do Parlamento em Londres. - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
MOSCOW (Sputnik) - Former UK Foreign Secretary Boris Johnson warned on Monday that if UK lawmakers try to foil the country's withdrawal from the European Union through their "jiggery-pokery," the UK citizens will see it nothing short of betrayal and a conspiracy by the so-called deep state.

"Eu tenho notado todas essas coisas sobre complicadas transações bancárias que fariam o Parlamento frustrar o acordo… Se continuarmos inventando todos os tipos de emendas complicadas e atrasando táticas, nós vamos enganar o público britânico, vamos frustrar o Brexit (…). Acho que as pessoas vão se sentir traídas e eu acho que vão sentir que houve uma grande conspiração do 'Estado profundo' no Reino Unido — as pessoas que realmente dirigem o país", disse Johnson à emissora LBC.

Uma combinação de imagens mostra que a primeira ministra britânica e a líder do Partido Conservador, Theresa May em conferência de imprensa durante uma Cúpula Europeia na sede da UE em Bruxelas em 9 de março de 2017, e a principal oposição britânica, o trabalhista, Jeremy Corbyn, falando no quarto dia da conferência anual do Partido Trabalhista em Liverpool, noroeste da Inglaterra em 28 de setembro de 2016. - Sputnik Brasil
Líder Trabalhista revela estratégia para remover Theresa May e mudar curso do Brexit
O político também expressou suas dúvidas de que o acordo de retirada sobreviveria à votação no parlamento na terça-feira.

"Acho que o acordo cai", disse Johnson, expressando confiança de que o Reino deixará o bloco em março, como planejado, apesar do receio de alguns legisladores de que o fracasso do acordo no Parlamento implicaria necessariamente no chamado 'Brexit duro', perigoso para a economia nacional.

O acordo deveria ter sido votado pelo Parlamento em dezembro de 2018, mas o procedimento foi adiado pela primeira-ministra Theresa May, que temia ser derrotada.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала