- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Em alegações finais, Lula critica Moro e nega ser dono do sítio de Atibaia

© AP Photo / Andre PennerFormer Brazilian President Luiz Inacio Lula da Silva speaks during a meeting with the executive members of the Workers Party, in Sao Paulo, Brazil, Thursday, Jan. 25, 2018
Former Brazilian President Luiz Inacio Lula da Silva speaks during a meeting with the executive members of the Workers Party, in Sao Paulo, Brazil, Thursday, Jan. 25, 2018 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva reafirmou nesta segunda-feira (7), por meio de sua defesa, que jamais foi proprietário do sítio Santa Bárbara, em Atibaia, em São Paulo.

A manifestação dele consta nas 1.643 páginas das alegações finais entregues à Justiça Federal em Curitiba e fazem parte da última fase da ação penal na qual Lula e mais 12 réus respondem às acusações de corrupção e lavagem de dinheiro.

A sign of the Odebrecht Brazilian construction conglomerate is seen at their headquarters in Lima, Peru - Sputnik Brasil
Odebrecht e Procuradoria do Peru devem assinar acordo de colaboração após 18 de janeiro
A partir de agora, caberá a juíza Gabriela Hardt, da 13ª Vara Federal, proferir a sentença. Não há prazo para decisão da juíza.

Nas alegações, os advogados de Lula voltaram a questionar a imparcialidade do ex-juiz Sergio Moro para julgar a fase inicial do processo, a competência da 13ª Vara Federal para julgar o caso e a suposta ação do Ministério Público Federal (MPF) para direcionar a investigação contra o ex-presidente.

De acordo com a defesa, a ação do MPF não apresentou "qualquer fiapo de prova" de que Lula foi beneficiado por reformas no sítio com recursos ilegais desviados da Petrobras.

"Registre-se, ainda, desde logo, que o defendente não é e jamais foi proprietário do sítio de Atibaia. Essa constatação, que emerge com nitidez da prova coligida durante a instrução, é o que basta para rechaçar a esdrúxula tese acusatória de que o defendente teria sido beneficiado por reformas realizadas naquele imóvel em contrapartida a afirmadas atuações em favor de contratos firmados pelas empresas OAS e Odebrecht com a Petrobras", diz a defesa.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала