Holanda acusa Irã por assassinatos em seu território e prega sanções pela UE

CC0 / Pixabay / Dutch flag
Dutch flag - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A Holanda acusou o Irã de envolvimento com o assassinato de dois dissidentes em solo holandês, acrescentando que a União Europeia (EU) está atingindo Teerã com sanções em parte devido aos assassinatos.

O serviço secreto holandês "tem fortes indícios de que o Irã esteve envolvido nos assassinatos de dois cidadãos holandeses de origem iraniana em Almere, em 2015, e em Haia, em 2017", afirmou o ministro de Relações Exteriores, Stef Blok, em uma carta ao Parlamento.

"Esses indivíduos eram opositores do regime iraniano", disse ele na carta, também assinada pela ministra do Interior holandês, Kajsa Ollongren.

"A Holanda considera provável que o Irã tenha participado da preparação ou execução de assassinatos e ataques ao território da UE", declararam os ministros. Eles acrescentaram que a UE teria nesta terça-feira, "em parte por recomendação dos Países Baixos", concordado em impor novas sanções ao Irã.

Secretário Geral do Serviço de Ação Externa da União Européia (SEAE) Helga Schmid, Diretora Geral da Agência Internacional de Energia Atômica AIEA, Yukiya Amano e deputado político do Ministério das Relações Exteriores do Irã Abbas Araghchi participam de uma reunião especial da Comissão Conjunta de Partes ao JCPOA sobre o acordo nuclear do Irã no palácio Coburg em Viena, Áustria, em 25 de maio de 2018 - Sputnik Brasil
UE descarta saída de acordo iraniano após denúncias de 'complô assassino' na Dinamarca

A polícia holandesa nomeou anteriormente as duas vítimas como Ali Motamed, 56, que foi morto na cidade de Almere em 2015, e Ahmad Molla Nissi, de 52 anos, assassinado em Haia em 2017.

Em junho passado, a Holanda expulsou dois trabalhadores da embaixada iraniana em conexão com os assassinatos. Teerã na época protestou contra a expulsão dos dois diplomatas como um "movimento hostil e destrutivo" e ameaçou retaliar.

O primeiro-ministro dinamarquês, Lars Lokke Rasmussen, havia confirmado anteriormente que a UE concordou com novas sanções contra o Ministério Iraniano de Inteligência e Segurança e dois cidadãos iranianos. A Dinamarca liderou os esforços por sanções depois de alegações de que Teerã tentou matar três dissidentes iranianos em solo dinamarquês.

A França já havia atingido dois supostos agentes iranianos com ativos congelados por causa de um plano para bombardear uma manifestação perto de Paris.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала