Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Grupo de Lima incentiva golpe de Estado contra Maduro, diz chanceler venezuelano

© REUTERS / Marco BelloNicolás Maduro, presidente da Venezuela, 12 de dezembro de 2018
Nicolás Maduro, presidente da Venezuela, 12 de dezembro de 2018 - Sputnik Brasil
Nos siga no
O chanceler venezuelano, Jorge Arreaza, acusou os membros do Grupo Lima de incentivar um golpe de Estado contra o presidente Nicolás Maduro.

"Um grupo de países do continente americano (…) concordou em incentivar um golpe na Venezuela em um evento sem paralelo na história da região para tentar ignorar tanto o governo democraticamente eleito quanto as instituições legitimamente constituídas", disse o ministro à televisão estatal venezuelana. 

O chanceler da Venezuela respondeu à declaração em que 13 países dos 14 membros do chamado Grupo de Lima indicam que eles não reconhecem a legitimidade do novo mandato presidencial de Maduro e pedem que o presidente a não assuma a posição e transfira os poderes do Poder Executivo até que novas eleições sejam realizadas.

O México foi o único país que não assinou a declaração.

Cerimônia de diplomação do presidente eleito, Jair Bolsonaro, no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Bolsonaro expressa preocupação com manobras militares russas na Venezuela (VÍDEO)
Arreaza disse em seu discurso que tal demonstração não impedirá o presidente Maduro de assumir seu novo mandato como previsto.

"A República da Venezuela tem o prazer de informar que em 10 de janeiro o Presidente Nicolás Maduro Moros tomará posse legítima e constitucional da presidência da república para o período entre 2019 e 2025 em perfeita harmonia com o estabelecido na Constituição da República Bolivariana da Venezuela, que não requer o consentimento de qualquer governo estrangeiro", acrescentou.

Além disso, ele ressaltou que no último dia 20 de maio, Maduro foi reeleito em conformidade com todos os regulamentos eleitorais venezuelanos, com 67% dos votos validados pelo Conselho Nacional Eleitoral e 43,69% da participação popular.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала