Somália afirma que representante especial da ONU como 'persona non grata'

© Sputnik / Yury Abramochkin / Abrir o banco de imagensA capital da Somália, Mogadíscio (foto de arquivo)
A capital da Somália, Mogadíscio (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O governo da Somália declarou o representante especial da ONU e chefe de sua missão no país da UNSOM, Nicholas Haysom, como "persona non grata".

Haysom assumiu o cargo em setembro passado.

"Somália informa o secretário-geral da ONU, António Guterres, que o enviado da Organização das Nações Unidas, Nicholas Haysom, foi declarado persona non grata e não pode trabalhar no país", diz um comunicado do Ministério das Relações Exteriores citado pelo portal local Garowe Online.

Em foto de arquivo de novembro de 2010, o então primeiro-ministro somali Mohamed Abdullahi Farmajo, atual presidente da Somália - Sputnik Brasil
Presidente da Somália escapa de pedido de impeachment
O Ministério acusa Haysom de "violar abertamente os protocolos e interferir deliberadamente" nos assuntos internos do país.

A decisão foi tomada depois que o enviado especial exigiu em carta ao governo que esclarecesse as causas da morte de civis durante os protestos na cidade de Baidoa, ocorridos em dezembro passado.

Além disso, Haysom exigiu uma justificativa legal para a prisão do ex-líder do Al Shabab na Somália, Mujtar Robow, que planejava disputar eleições regionais.

Mais de uma dúzia de pessoas morreram no mês passado durante os confrontos entre os partidários de Robow e as forças de segurança.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала