Ucrânia recebeu equipamento de comunicação moderno da OTAN, diz ministro

© Sputnik / Mikhail MarkivAs Forças Armadas da Ucrânia receberam radares norte-americanos de detecção antiartilharia, 14 de novembro de 2015
As Forças Armadas da Ucrânia receberam radares norte-americanos de detecção antiartilharia, 14 de novembro de 2015 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A Ucrânia teria recebido equipamentos de comunicação modernos dos países membros da OTAN, inclusive em razão do período temporário de lei marcial imposta no país, que terminou esta semana. A revelação foi feita disse nesta quinta-feira (27) por Yuri Grymchak, vice-ministro da Ucrânia para territórios temporariamente ocupados.

A lei marcial de 30 dias que vigorou em várias regiões ucranianas localizadas perto da fronteira russa, e as costas do Mar Negro e do Mar de Azov, terminou na quarta-feira (26).

A lei marcial foi imposta no país após navios militares da Ucrânia atravessarem ilegalmente a fronteira marítima russa enquanto navegavam em direção ao Estreito de Kerch, a entrada do Mar de Azov. Os navios ucranianos e suas tripulações foram detidos pela Rússia devido ao fato de que não responderam as exigências legais pedindo que parassem.

Troca de prisioneiros entre Kiev e Donbass, região de Lugansk - Sputnik Brasil
Ucrânia se compromete a respeitar nova trégua em Donbass
"Recebemos equipamentos de comunicação modernos dos países da OTAN, inclusive devido à lei marcial. Esse é o chamado equipamento de comunicação protegido, que nós estávamos sem", disse Grymchak à emissora Zik.

Em 2014, o parlamento ucraniano votou pelo abandono do status de país não-alinhado e pelo trabalho em prol da adesão à OTAN. Em 2017, o parlamento ucraniano definiu a participação na aliança militar como o objetivo estratégico da política externa do país.

Ainda em 2017, a administração do presidente dos EUA, Donald Trump, aprovou o fornecimento de armas para a Ucrânia. No ano seguinte, em 2018, a Ucrânia recebeu US$ 40 milhões em armas letais e outros equipamentos militares dos Estados Unidos, Lituânia, Reino Unido e Canadá.

Moscou fez diversos alertas contra o fornecimento de armas à Ucrânia, dizendo que isso resultaria em uma escalada do conflito militar na região leste de Donbass, que ocorre desde 2014. Essa postura também foi apoiada por vários oficiais europeus.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала