Evolução das criptomoedas: de 'produto' especulativo a ferramenta de controle financeiro

Nos siga noTelegram
A capitalização do mercado de moedas virtuais teve uma redução de aproximadamente cinco vezes em 2018, isso mostra que, provavelmente, os investidores estão se decepcionando com o dinheiro digital descentralizado.

Além disso, há mercados que proibiram a utilização de criptomoedas para controlar o sistema financeiro.

Quando Satoshi Nakamoto criou o bitcoin, ele não tinha ideia de que sua criação valeria mais do que o ouro. Nos primeiros momentos do bitcoin, apenas os profissionais de tecnologia e fanáticos pela criptografia puderam utilizá-lo e trocá-lo, na ocasião, a criptomoeda era vista mais como um objeto de entretenimento do que um ativo de grande valor.

Com o passar do tempo, a moeda criptografada passou a atrair os especuladores, pois o câmbio da criptomoeda dependia apenas da agitação do mercado. Esta foi a razão pela qual o valor do bitcoin disparou até 20 vezes em apenas um ano, entre o final de 2016 e 2017.

A China então se tornou uma grande monopolista, isso porque possuía uma grande base para a utilização das moedas digitais e a energia elétrica barata, um requisito indispensável para obter uma grande quantidade de criptomoedas.

Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, durante discurso sobre petro, 1 de outubro de 2018 (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Plano de Poupança em Petro: Venezuela inicia venda de criptomoeda via moeda nacional
Além disso, a China foi responsável por 70% de todas as "extrações" de bitcoins, convertendo-se no produtor de equipamentos mais avançados para a mineração da criptomoeda.

O grande aumento da indústria das criptomoedas começou a preocupar as autoridades chinesas, pois entendiam que o valor das moedas virtuais dependia dos ânimos especulativos. Entretanto, os chineses notaram que a criptomoeda também dependia das pessoas que começaram a investir seus recursos.

Com relação a este assunto, o especialista Zhang Ning, do Centro de Estratégia Financeira da Academia de Ciências Sociais da China, declarou à Sputnik que, na época, a China tomou diversas medidas com o objetivo de limitar a exploração das criptomoedas e bitcoin, amenizando o monopólio do Estado na emissão de dinheiro.

Em 2018, o valor do bitcoin e de outras moedas digitais começou a cair. Devido às frequentes falhas nas bolsas de criptomoedas, muitos investidores se afastaram, principalmente por causa de ataques hackers que invadiam seus dados.

Um funcionário do Banco de Israel com as novas notas de 50 Shekels durante uma coletiva de imprensa na sede do banco em Jerusalém (arquivo) - Sputnik Brasil
Banco Central de Israel abandona planos de criar moeda corrente 100% digital
Devido a esses problemas, o bitcoin entrará em 2019 valendo cinco vezes menos ao que valia aos princípios de 2018. Por isso, um número cada vez maior de países está utilizando a tecnologia blockchain para converter suas moedas nacionais em dinheiro.

Tanto a China quanto a Venezuela estavam desenvolvendo planos para criarem suas próprias criptomoedas como uma tentativa de estabilizar suas moedas, entretanto, o resultado não foi o bem o esperado, já que a moeda venezuelana se desvalorizou ainda mais.

Vale ressaltar que, as transações realizadas com a criptomodeda utilizando a tecnologia blockchain, na China, não poderão ser anônimas, o que eleva a transparência.

Outra grande vantagem da criptomoeda para a China é o custo de sua manutenção, que é menor que a emissão de dinheiro efetivo, ou seja, com sua ajuda será possível efetuar transações internacionais de uma maneira mais rápida e barata.

A ideia é criar um dinheiro desmonopolizado e regularizado no mercado, sendo uma ferramenta muito efetiva para instaurar controles financeiros.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала