'Chegar o mais próximo possível do Irã': político russo explica presença dos EUA no Iraque

© AFP 2022 / THOMAS COEXMilitares dos EUA em Mossul, Iraque
Militares dos EUA em Mossul, Iraque - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A principal razão da permanência do contingente militar dos EUA no Iraque é a tentativa de pressionar o Irã, com o qual pode começar um conflito no Oriente Médio, disse à Sputnik Aleksandr Sherin, vice-presidente do Comitê de Defesa do parlamento russo.

Na quarta-feira (26 de dezembro), Trump visitou os militares americanos no Iraque com sua esposa Melanya. Durante esta visita de Natal, o presidente dos EUA disse que não planeja reduzir o contingente militar americano no Iraque, apesar da retirada anunciada das Forças Armadas dos EUA da Síria.

"Eu acho que os EUA estão interessados principalmente no território do Irã. Eles estavam interessados na Síria como um trampolim para uma invasão terrestre do território iraniano. Hoje, o Irã é um importante centro de tráfego de combustíveis, tem enormes recursos naturais e trânsito de petróleo e gás", declarou Sherin.

Militares americanos no Iraque, foto de arquivo - Sputnik Brasil
Analista: EUA reposicionarão suas tropas no Iraque
Segundo ele, o Irã é um parceiro muito sério da China, tendo acesso ao mar Cáspio. Portanto, o Irã para os EUA é uma zona estratégica e tudo o que acontece no Oriente Médio tem o objetivo de "chegar o mais próximo possível do Irã".

Esta é uma tentativa de avaliar a possibilidade de passar para ações ativas, não do território da Síria, como planejaram, mas do território do Iraque, disse o parlamentar.

Sherin destacou que agora EUA precisam de provocar algum conflito em algum lugar no Afeganistão, para que esse conflito se espalhe para algum outro país ribeirinho do Cáspio, por exemplo, o Turcomenistão, porque isso permitiria aumentar a presença militar norte-americana nesta região.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала