Marinha venezuelana intercepta navio hidrográfico nas águas da Guiana

© AP Photo / Leslie MazochNavios da Marinha venezuelana
Navios da Marinha venezuelana - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O navio hidrográfico foi forçado a interromper as operações e se retirar do local, afirmou o proprietário do navio.

A Marinha venezuelana interceptou o navio Ramform Tethys com a bandeira de Bahamas que estava realizando uma pesquisa geológica para a ExxonMobil nas águas da Guiana.

​Navio Ramform Tethys, pertencente à empresa norueguesa, Petroleum Geo-Services, que realizava trabalhos em nome da ExxonMobil, interrompeu seu trabalho de exploração após ser abordado por um navio da marinha venezuelana.

Ele foi facilmente reconhecido devido a sua amplitude, quase triangular. O navio pertence à empresa norueguesa Petroelum Geo-Services (PGS), segundo a Reuters.

O Tethys estava realizando um trabalho de levantamento sísmico a serviço da ExxonMobil, quando foi interceptado por navios venezuelanos, no decorrer da situação, o navio fez uma parada e retornou rapidamente, afirmou o porta-voz da PGS, Bard Stenberg.

"A Guiana rejeita esta ação ilegal, agressiva e hostil", afirmou o Ministério das Relações Exteriores da Guiana, enfatizando que essas ações demonstram a real ameaça para o desenvolvimento econômico pelo seu vizinho ocidental, além de violar a soberania e integridade territorial do país.

Nicolás Maduro, presidente da Venezuela no Fórum Internacional Semana da Energia da Rússia - Sputnik Brasil
Maduro: Venezuela é alvo de ameaças imperialistas
Nos últimos anos, a ExxonMobil identificou depósitos petrolíferos nas águas da Guiana, uma quantidade equivalente a 4 bilhões de barris, o que pode tornar o país em um dos maiores produtores da América Latina. Porém, a dificuldade encontrada é decorrente de uma disputa de território entre Caracas e Georgetown que ocorre há séculos.

Segundo o Ministério das Relações Exteriores da Guiana, o país solicitará aos EUA que envie uma comunicação formal ao atual governo venezuelano referente ao incidente. Além disso, Georgetown pretende informar a outros governos que os 70 tripulantes a bordo do navio passaram por uma experiência de "ameaça à segurança".

Vale ressaltar que, anteriormente, Caracas criticou Georgetown por autorizar as operações de exploração de petróleo nas águas da região do rio Essequibo, uma região reivindicada pela Venezuela. O rio Essequibo é um curso d'água guianense, nascendo na serra Acaraí, fronteira com o Brasil.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала