Imprensa americana revela motivo da renúncia do secretário de Defesa dos EUA, James Mattis

© AFP 2022 / DELIL SOULEIMANComboio de veículos armados dos EUA nos arredores ocidentais da cidade síria de Manbij
Comboio de veículos armados dos EUA nos arredores ocidentais da cidade síria de Manbij - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A saída do chefe do Pentágono, James Mattis, da Casa Branca foi estimulada por uma conversa telefônica entre Donald Trump e seu colega turco Recep Tayyip Erdogan, na qual o presidente dos EUA decidiu retirar tropas da Síria, revelou a Associated Press.

De acordo com as fontes ouvidas pela agência, o apelo ocorreu no dia 14 de dezembro — apenas um dia depois do secretário de Estado Mike Pompeo e o chanceler turco Mevlut Cavusoglu concordarem em fazer os dois presidentes discutirem as ameaças de Erdogan em iniciar uma operação militar contra a milícia curda apoiada pelos EUA na Síria.

Secretário de Estado norte-americano James Mattis gestures durante a conferência de imprensa sobre a campanha contra o Daesh no Pentágono, Washington, 19 de maio de 2017 - Sputnik Brasil
Que desavenças e discordâncias teriam motivado saída de Mattis do Pentágono?
As fontes afirmam que Trump, que anteriormente convenceu seu colega turco a não colocar as tropas americanas em risco, promoveu uma  reviravolta ao ficar ao lado de Erdogan, enquanto Pompeo, Mattis e outras autoridades de segurança nacional tentaram dissuadi-lo.

“Os pontos de discussão eram muito firmes. Todos disseram que tentam oferecer à Turquia algo que seja uma pequena vitória, possivelmente mantendo território na fronteira, algo assim”, disse uma das fontes à AP.

Erdogan supostamente lembrou a Trump que ele havia dito em várias ocasiões que a única razão para as tropas americanas manterem presença na Síria era a de esmagar o Daesh* (autodenominado Estado Islâmico), e que o grupo terrorista havia sido 99% derrotado. O presidente dos EUA imediatamente pediu a seu conselheiro de segurança nacional, John Bolton, para esclarecer por que as forças americanas permaneceram na Síria se as palavras de Erdogan eram verdadeiras.

Bolton supostamente disse que o ponto de vista do presidente turco foi apoiado por Mattis, Pompeo, enviado especial dos EUA para a Síria Jim Jeffrey e o enviado especial para a Coalizão anti-Daesh Brett McGurk, responsável por afirmar que terroristas retinham apenas 1% do território que anteriormente controlavam. Ao mesmo tempo, Bolton insistiu que, na visão da equipe de segurança nacional, uma vitória contra o Daesh tinha que ser "duradoura".

Trump então prometeu se retirar da Síria, deixando Bolton e Erdogan em estado de choque. Embora Erdogan o tenha advertido contra uma retirada precipitada, o presidente dos EUA reiterou que cumpriria sua promessa quando a conversa chegasse ao fim. 

Manifestastes contra os ataques da coalizão internacional na Síria agitando bandeiras da Síria, Irã e Rússia - Sputnik Brasil
Irã acusa os EUA de terem 'prejudicado a região' com a presença militar na Síria
Embora as autoridades turcas ainda não tenham feito comentários sobre as alegações, o Conselho de Segurança Nacional dos EUA rejeitou a descrição dos eventos.

“Em termos inequívocos, relatar toda essa história não é verdade. É claro no contexto que esta falsa versão dos eventos vem de fontes que não têm autoridade sobre o assunto, possivelmente fontes anônimas na Turquia”, disse o porta-voz do Conselho Segurança Nacional, Garrett Marquis, segundo a AP.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала