Ocidente tem ciúme do papel da Rússia na República Centro-Africana, diz diplomata

© AFP 2022 / EDOUARD DROPSY / Abrir o banco de imagensVeículo blindado da MINUSCA durante patrulha pelas ruas de Bangui, capital da República Centro-Africana (14-09-2015)
Veículo blindado da MINUSCA durante patrulha pelas ruas de Bangui, capital da República Centro-Africana (14-09-2015) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Os países ocidentais, inclusive a França, têm ciúme do papel crescente da Rússia na resolução da crise na República Centro-Africana (RCA), declarou à Sputnik o chefe do Departamento da África do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Andrei Kemarsky.

"Apesar de as ações terroristas, a luta entre grupos armados e forças governamentais continuarem, o processo em geral adquire uma tendência cada vez mais positiva. O papel da Rússia nisso é bem visível, enquanto a participação dos países ocidentais é menos eficaz", afirmou Kemarsky.

Segundo o diplomata, a França como ex-metrópole que historicamente está presente na República Centro-Africana, não conseguiu melhorar a situação. Foi a participação da Rússia que impulsionou avanços positivos. A Rússia está se tornando dominante e causa ciúme a outros países que tradicionalmente tinham influência na região, sublinhou Kemarsky.

Bandeira russa - Sputnik Brasil
Influência da Rússia no mundo está crescendo, diz mídia ocidental
O diplomata afirma que os países ocidentais consideraram possível mudar governos conforme seus interesses, algo que os franceses frequentemente faziam nas suas ex-colônias africanas.

Os receios do Ocidente levam à criação de "notícias falsas, campanhas difamatórias e introdução de sanções" contra a Rússia, segundo Kemarsky. Alguns países tentam limitar os negócios russos, a cooperação econômico-comercial e técnico-militar de Moscou, mas a Rússia reage normalmente, declarou.

A situação na RCA entrou em uma espiral de violência em dezembro de 2013, quando na capital, Bangui, houve confrontos entre o grupo islâmico Seleka e a milícia cristã anti-Balaka. A ONU estima que o conflito já causou milhares de mortes e até um milhão de pessoas deslocadas.

No final de agosto, os grupos rivais realizaram uma reunião na capital sudanesa, onde concordaram em criar uma plataforma comum de consultas e ações para estabelecer uma paz sustentável no país. Na declaração adotada em resultado das consultas, os grupos armados também pediram ao governo que promova o processo de reconciliação com o apoio da Rússia, da União Europeia e de organizações regionais e internacionais.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала