'Ataques de pânico' dos EUA devem ser tratados com cautela, adverte analista

© Sputnik / Ministério da Defesa da Rússia / Abrir o banco de imagensLançamento do novíssimo míssil russo Avangard
Lançamento do novíssimo míssil russo Avangard - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Os Estados Unidos não têm uma defesa antimíssil suficientemente eficaz para se proteger de armas hipersônicas da Rússia e da China, segundo relatório do Escritório de Contabilidade do Congresso dos EUA (GAO). O analista militar Aleksandr Zhilin avaliou documento norte-americano para o serviço russo da Rádio Sputnik.

Segundo relatório americano, a China e a Rússia estão focadas no desenvolvimento de armas hipersônicas por três motivos — velocidade, altitude e manobrabilidade, que podem até mesmo serem usadas para aperfeiçoar as capacidades de mísseis convencionais e nucleares de longo alcance.

Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, o diretor do Centro Analítico dos Problemas Sociais de Segurança Nacional e coronel aposentado, Aleksandr Zhilin, ressaltou que as estimativas de estruturas norte-americanas devem ser tratadas com cautela.

Porta-aviões norte-americano John C. Stennis - Sputnik Brasil
Think tank dos EUA alerta que navios americanos perderiam batalha com Rússia ou China
"A Rússia e a China estão provavelmente, até certo ponto, à frente dos EUA no desenvolvimento de vários tipos de armas. Somos forçados a produzir tais tecnologias, porque os EUA, com sua política, forçaram Moscou e Pequim a buscarem respostas aos desafios impostos por eles. Mas sabendo como os EUA se comportam ao guardar seus segredos, e sabendo também quão mestres são em criar 'lendas' e 'dissimulações', eu trataria os ‘ataques de pânico' dos EUA com cautela."

O analista acredita que essas notícias são destinadas, primeiramente, ao público nos Estados Unidos.

Porta-aviões USS Nimitz Harry S. Truman - Sputnik Brasil
Mídia: mísseis russos e chineses forçariam EUA a descartar porta-aviões
"Provavelmente, elas são destinadas ao contribuinte norte-americano, e é assim que a administração dos EUA financia preparo para rearmamento global de suas Forças Armadas, que não são destinadas a proteger o país, e, sim, a guerrear em outros países e em outros continentes. Estas Forças armadas são agressoras a priori. Por que, por exemplo, EUA são tão contra a venda de nossos sistemas de defesa antiaérea S-400 para outros países? Porque esse armamento protege de intervenções, e as Forças Armadas dos EUA existem justamente para intervir", concluiu o analista.

No dia 1º de março, Vladimir Putin discursou na Assembleia Federal, destacando os novos armamentos da Rússia, que visam também superar a defesa antimíssil dos EUA. No mesmo discurso, o presidente da Rússia falou sobre o desenvolvimento da arma hipersônica Avangard.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала