Ministro do Exterior turco revela que Trump planejaria retirar tropas da Síria

© AP Photo / Hassan AmmarO céu de Damasco se ilumina com mísseis lançados pelos EUA na capital Síria.
O céu de Damasco se ilumina com mísseis lançados pelos EUA na capital Síria. - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlut Cavusoglu, declarou que o presidente dos EUA, Donald Trump, estaria considerando retirar as tropas estadunidenses da Síria. Washington ainda não comentou essa declaração.

"O presidente dos EUA Donald Trump planeja retirar [as tropas] da Síria", disse o ministro no domingo (16).

Bandeiras da Rússia e dos EUA - Sputnik Brasil
Rússia pede que os EUA reconsiderem estratégia na Síria e saída do Tratado INF
A coalizão de mais de 70 países liderada pelos EUA está realizando operações militares contra os grupos terroristas na Síria e no Iraque. Os ataques da coalizão na Síria não são autorizados pelo governo do presidente sírio Bashar Assad ou pelo Conselho de Segurança da ONU.

Além disso, Cavusoglu comentou as gravações áudio supostamente ligadas ao caso do jornalista saudita Jamal Khashoggi assassinado no consulado da Arábia Saudita em Istambul.

Segundo ele, os áudios provam que o assassinato foi planejado com antecedência. Segundo o ministro, os serviços de inteligência de todos os países interessados já puderam ouvi-los.

"As inteligências dos países que estão interessados [no caso de Khashoggi] tiveram a oportunidade de ouvir os áudios. Eu também fiz isso, junto com o meu presidente, [Recep Tayyip] Erdogan. Então você pode ver, você pode ouvir claramente que eles tinham planejado com antecedência matá-lo", disse Cavusoglu.

Cavusoglu reiterou a posição da Turquia sobre o assunto, dizendo que o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, estava determinado a investigar completamente o caso de Khashoggi.

Príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman - Sputnik Brasil
Senadores dos EUA lançam resolução para culpar príncipe saudita pela morte de Khashoggi
Khashoggi foi morto no início de outubro depois de ele ter entrado no consulado saudita em Istambul, na Turquia. O alarme sobre o crime foi levantado pela primeira vez por responsáveis oficiais turcos.

Em 26 de outubro, o procurador-geral saudita reconheceu que o assassinato do jornalista foi premeditado. No entanto, Riad sustenta que o assassinato não teve nada a ver com a família real saudita, descrevendo a operação como criminosa.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала