Cuba colabora com a tortura na Venezuela e na Nicarágua, diz secretário da OEA

© Sputnik / Oleg Lastochkin / Abrir o banco de imagensBandeira da Cuba
Bandeira da Cuba - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Cuba enviou pessoas à Venezuela e à Nicarágua para cooperar com a tortura naqueles países, disse nesta sexta-feira o secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, na abertura das conferências sobre a ilha que serão realizadas na agência em 2019.

"Estima-se que a presença cubana na Venezuela é de 46.000 pessoas, uma força de ocupação que ensina tortura para reprimir, fazendo tarefas de inteligência, documentação civil, migração, na Nicarágua também ter ouvido o testemunho de vítimas de tortura que asseguram que os cubanos estavam presentes enquanto os torturavam", afirmou Almagro em seu discurso.

Presidente da Assembleia Popular Suprema da Coreia do Norte, Kim Yong-nam, e o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, durante o encontro em Caracas, 27 de novembro de 2018 - Sputnik Brasil
Coreia do Norte estaria criando aliança com Venezuela e Cuba contra hegemonia dos EUA?

Ele acrescentou que "Cuba é inimiga da democracia e dos direitos humanos em qualquer parte do continente", e que "grande parte da polarização sofrida por nossas sociedades é diretamente induzida pelo regime cubano".

As conferências serão várias no ano que vem e abordarão a situação em Cuba no âmbito da OEA.

Com elas, Almagro diz que é necessário dar visibilidade ao que está acontecendo em Cuba e acusou a comunidade internacional de normalizar o que acontece na "ditadura" da ilha.

"A ditadura que faz com que até hoje uma situação de internalização e padronização pela comunidade internacional, mas não é normal, o mesmo medo que faz com que Cuba e usa para intimidar seu próprio povo usá-la para agir na comunidade internacional", prosseguiu o secretário-geral da OEA.

Ele complementou dizendo que "é hora de aumentar a conscientização sobre a ditadura mais antiga do hemisfério, é hora de começar a trabalhar na OEA".

Almagro acusou o governo cubano de desrespeito ao "artigo 1 da Carta Democrática, a falta de respeito pelo regime cubano a estes princípios, valores fundamentais, liberdades e garantias deve ter todos os cidadãos das Américas".

O presidente de Cuba, Miguel Diaz-Canel (à esquerda) e o presidente da Rússia, Vladimir Putin (à direita), durante encontro em Moscou. - Sputnik Brasil
Rússia considera 'pura ficção' a informação sobre retorno de suas bases militares a Cuba

Cuba é um dos 35 Estados-membros da OEA desde 03 junho de 2009, quando os ministros de Relações Exteriores das Américas aprovaram uma resolução que atenda as regras de 1962, pelo qual o governo cubano estava excluído da participação no sistema interamericano. Pelo documento aprovado, a medida não tem nenhum efeito sobre a organização hemisférica, publica o OEA em seu site.

A resolução de 2009 afirma que "a participação de Cuba na OEA será o resultado de um processo de diálogo iniciado a pedido do governo da ilha, e em conformidade com as práticas, propósitos e princípios do grupo", declara o organismo.

Contudo, até o presente momento, Cuba não participa de nenhuma das instâncias da organização hemisférica.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала