- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Bolsonaro fala de cheque suspeito de R$ 24 mil para mulher: assessor 'tinha dívida comigo'

© Fotos Públicas / Marcelo Camargo / Agência BrasilO presidente eleito Jair Bolsonaro chega ao Centro Cultural Banco do Brasil, em Brasília
O presidente eleito Jair Bolsonaro chega ao Centro Cultural Banco do Brasil, em Brasília - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
No dia em que cancelou a agenda por "razões médicas" e viu o seu ministro-chefe da Casa Civil ficar nervoso, o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) resolveu falar sobre a polêmica em torno de um cheque de R$ 24 mil recebido pela mulher, Michelle Bolsonaro, cujo repasse é investigado pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).

Em entrevista ao site O Antagonista, Bolsonaro afirmou que o ex-policial militar Fabrício José de Queiroz – motorista do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente eleito – realizou o repasse para uma conta de Michelle em razão de uma dívida contraída junto ao ex-capitão do Exército Brasileiro.

"Emprestei dinheiro para ele em outras oportunidades. Nessa última agora, ele estava com um problema financeiro e uma dívida que ele tinha comigo se acumulou. Não foram R$ 24 mil, foram R$ 40 mil. Se o Coaf quiser retroagir um pouquinho mais, vai chegar nos R$ 40 mil", declarou Bolsonaro ao site.

Lula, ex-presidente do Brasil - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
'Bolsonaro só venceu porque não competiu contra mim', diz Lula em carta à BBC

De acordo com Bolsonaro, Queiroz fez 10 cheques de R$ 4 mil para o pagamento da mencionada dívida. Contudo, o Coaf investiga operações suspeitas de R$ 1,2 milhão envolvendo o nome do ex-PM, conforme revelou o jornal O Estado de S. Paulo na última quinta-feira, e apontou um cheque compensado de R$ 24 mil para a futura primeira-dama.

Sem se pronunciar sobre o caso até então, o presidente eleito também procurou explicar o motivo de ter indicado a conta da mulher para receber a dívida que o assessor do filho teria com ele.

"Eu podia ter botado na minha conta. Foi para a conta da minha esposa, porque eu não tenho tempo de sair. Essa é a história, nada além disso. Não quero esconder nada, não é nossa intenção", acrescentou Bolsonaro, que explicou que Queiroz é seu amigo desde 1984, quando se conheceram na Brigada Paraquedista do Exército.

Até que o ex-PM se explique sobre as movimentações incompatíveis, Bolsonaro garantiu ter cortado relações com ele. Anteriormente, Flávio Bolsonaro também afirmou desconhecer as operações suspeitas envolvendo o seu agora ex-motorista.

Mais cedo nesta sexta-feira, o futuro ministro-chefe da Casa Civil de Bolsonaro, Onyx Lorenzoni (DEM-RS), demonstrou irritação ao ser perguntado sobre o caso em uma coletiva de imprensa em São Paulo, onde participou de um encontro com empresários do LIDE, grupo que pertence à família do governador eleito de São Paulo, João Doria (PSDB).

"A gente precisa saber separar o joio do trigo. Neste governo é trigo, não dá para achar que esse governo vai ser igual ao do PT. Não é e nunca vai ser. A turma do mal está do lado de lá. O problema é que a aliança ideológica que se construiu no Brasil faz com que vocês queiram misturar um governo decente, que está apenas no seu alvorecer, com a lambança que o PT fez por 14 anos. O presidente [Bolsonaro] é um homem que não teme a verdade assim como eu não temo a verdade. A pergunta é onde que estava o cofre do mensalão", declarou.

Perguntado sobre a origem do dinheiro mencionado pelo Coaf, o parlamentar perdeu a paciência e devolveu com uma outra pergunta.

"Quanto o senhor recebeu esse mês? Essa pergunta não tem a menor relevância", completou, antes de abandonar a entrevista.

Ex-assessora de Magno Malta, pastora Damares Alves assume Ministério de Mulheres e Direitos Humanos - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Pastora anti-aborto assume Ministério de Mulheres e Direitos Humanos de Bolsonaro

Em outro evento, o ex-juiz federal Sérgio Moro - futuro ministro da Justiça de Bolsonaro - evitou a imprensa para não opinar sobre o caso.

A promessa de acabar com a velha política do "toma lá, dá cá", com distribuição de ministérios e cargos em troca de votos, foi uma das plataformas defendidas com veemência por Bolsonaro. Entretanto, antes mesmo de assumir o presidente eleito já está sob pressão, a começar pela própria investigação contra Lorenzoni por uso de caixa 2 – irregularidade que o próprio já confessou em vídeo – que corre no Supremo Tribunal Federal (STF).

Por ora, Bolsonaro prometeu usar a sua caneta para demitir qualquer pessoa do seu governo que tenha provas robustas contra si.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала