Doggerland, uma 'ponte afundada' entre Grã-Bretanha e Europa continental

© Sputnik / Vladimir Astapkovich / Abrir o banco de imagensMar do Norte (imagem referencial)
Mar do Norte (imagem referencial) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Um grupo de arqueólogos do projeto Wessex Archaelogy confirmou a existência de uma região desaparecida chamada de Doggerland, informa o portal LiveScience.

A matéria publicada no LiveScience diz que os cientistas estudaram amostras de sedimentos na parte sul do mar do Norte, inundada cerca de oito mil anos atrás. Essa plataforma era o último território que conectava a Grã-Bretanha e a Europa continental. Este processo foi concluído há cerca de quatro mil anos.

Há 8.000 anos um vasto planalto de terra entre a Inglaterra e a Holanda já esteve repleto de vida antes de afundar no mar que hoje se chama mar do Norte. Os arqueólogos esperam agora descobrir como era a vasta paisagem antes de afundar-se debaixo da água salgada.

Superfície do planeta Vênus - Sputnik Brasil
Mudanças climáticas poderiam converter Terra em novo Vênus?
Os arqueólogos puderam detectar restos de matéria orgânica, o que confirma a hipótese de que esta região era terra firma. Entre outras coisas, os pesquisadores conseguiram detectar turfa em amostras de sedimentos do fundo, o que, na opinião deles, prova a existência da vegetação terrestre nessa região no passado.

"Não só a turfa é uma forte evidência de uma antiga superfície terrestre, mas também tem excelente preservação de fósseis microscópicos — e é isso que nos dá a informação para reconstruir o clima, os níveis do mar e as árvores que cresciam na área", disse a geoarqueóloga marinha principal deste grupo, Claire Mellett.

Saturno e seus satélites Titã e Encélado - Sputnik Brasil
Astrônomos descobrem reservas de água 'extraterrestre' em satélite de Saturno
Os cientistas acreditam que fósseis microscópicos de carvão vegetal são vestígios de incêndios que foram provocados pela natureza ou pelas pessoas que viviam aqui.

"Na história geológica, esta foi uma das mais rápidas subidas dos níveis do mar que já experimentamos", adicionou Melett.

A cientista explica que a vida das pessoas nessa época era de cerca de 30 anos e, se o nível do mar estivesse subindo, eles provavelmente não se teriam apercebido deste processo.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала