Maduro é 'déspota irresponsável', diz secretário de Defesa dos EUA

© REUTERS / Mike BlakeGeneral aposentado da Infantaria da Marinha e Secretário de Defesa norte-americano, James Mattis
General aposentado da Infantaria da Marinha e Secretário de Defesa norte-americano, James Mattis - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Jim Mattis, condenou o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, como um déspota que levou sua nação rica em petróleo à ruína.

No entanto, Mattis não sugeriu nenhum papel dos EUA em tal processo e disse a um fórum de segurança na Califórnia: "Cabe ao povo venezuelano, cabe aos Estados regionais da região ajudar a acelerar isso e trazer o país de volta a um futuro próspero e positivo".

Mais de 3 milhões de venezuelanos fugiram do país nos últimos anos, expulsos pela escassez brutal de alimentos e medicamentos, hiperinflação e crimes violentos.

Washington impôs sanções à Venezuela, denunciando Maduro por aniquilar os direitos humanos e provocar um colapso econômico.

"Isto é o que acontece quando você tem um déspota irresponsável que leva um país à ruína. E acho que o que devemos fazer é trabalhar, com e através de nossos aliados latino-americanos, enquanto estabilizamos essa situação", disse Mattis ao Fórum Nacional de Defesa Reagan.

Ernesto Samper, secretário-geral da Unasul. - Sputnik Brasil
Conflito armado entre Colômbia e Venezuela é 'possibilidade', diz ex-presidente colombiano
Ele observou que um navio-hospital da Marinha dos EUA estava tratando os refugiados venezuelanos em uma turnê latino-americana que incluía paradas na vizinha Colômbia.

"Estamos fazendo nosso melhor diplomaticamente e por meio de ajuda humanitária. Mas, em última análise, esse regime terá que ir", disse ele.

Na segunda-feira, a Organização das Nações Unidas (ONU) prometeu US$ 9,2 milhões em ajuda humanitária para a Venezuela, onde a fome e as doenças evitáveis ​​estão aumentando devido à escassez de alimentos e remédios. Maduro diz que a situação é fruto das sanções dos EUA e da "guerra econômica" feita por adversários políticos.

Críticos do governo comemoraram a promessa da ONU como um reconhecimento das autoridades venezuelanas de que o país enfrenta uma crise humanitária — algo que Maduro negou no passado — e um passo em direção ao tratamento de uma população carente de serviços básicos.

Mas alguns temem que os fundos possam alimentar a corrupção do partido de Maduro, que foi colocado a prova quando um ex-tesoureiro venezuelano disse aos promotores norte-americanos que recebeu US$ 1 bilhão em propinas. 

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала