Mundo inexplorado: que descobertas espaciais traz o mês de novembro?

Nos siga noTelegram
Durante os últimos 30 dias, cientistas conseguiram alcançar avanços significativos no setor espacial. A sonda da NASA finalmente atingiu a superfície do Planeta Vermelho e já enviou à Terra as primeiras imagens da superfície marciana.

Além disso, os pesquisadores estão próximos da descoberta de qual será o destino do Sistema Solar após a explosão do Sol.

Mas isso é só uma parte de todos os eventos. A Sputnik lhe oferece informações mais detalhadas!

© NASA . NASA/JPL-CalTechPrimeira imagem da superfície marciana feita por InSight, a sonda da NASA, que aterrissou no Planeta Vermelho em 26 de novembro de 2018.
Primeira imagem da superfície marciana feita por InSight, a sonda da NASA, que aterrissou no Planeta Vermelho em 26 de novembro de 2018 - Sputnik Brasil
1/15
Primeira imagem da superfície marciana feita por InSight, a sonda da NASA, que aterrissou no Planeta Vermelho em 26 de novembro de 2018.
© NASA . JPL-CaltechVista da superfície de Marte gravada pela sonda InSight da NASA .
Vista da superfície de Marte gravada pela sonda InSight da NASA - Sputnik Brasil
2/15
Vista da superfície de Marte gravada pela sonda InSight da NASA .
© NASA . ESA/Hubble, NASANebulosa criada após a morte da supernova SNR 0454-67.2, que acabou sua vida em uma poderosa explosão, lançando seus vestígios ao espaço. A imagem foi tirada pela sonda Hubble.
Nebulosa criada após a morte da supernova SNR 0454-67.2, que acabou sua vida em uma poderosa explosão, lançando seus vestígios ao espaço. A imagem foi tirada pela sonda Hubble - Sputnik Brasil
3/15
Nebulosa criada após a morte da supernova SNR 0454-67.2, que acabou sua vida em uma poderosa explosão, lançando seus vestígios ao espaço. A imagem foi tirada pela sonda Hubble.
© Foto / Roscosmos/Sergei ProkopievIlha Partida, que se encontra no golfo da Califórnia, filmada do espaço.
Ilha Partida, que se encontra no golfo da Califórnia, filmada do espaço - Sputnik Brasil
4/15
Ilha Partida, que se encontra no golfo da Califórnia, filmada do espaço.
© Foto / Facebook/RoscosmosAstronauta alemão Alexander Gerst e cosmonauta russo Sergei Prokofiev controlam o acoplamento da nave espacial russa, Progress MS10, e da estadunidense Cygnus à Estação Espacial Internacional.
Astronauta alemão Alexander Gerst e cosmonauta russo Sergei Prokofiev controlam o acoplamento da nave espacial russa, Progress MS10, e da estadunidense Cygnus à Estação Espacial Internacional - Sputnik Brasil
5/15
Astronauta alemão Alexander Gerst e cosmonauta russo Sergei Prokofiev controlam o acoplamento da nave espacial russa, Progress MS10, e da estadunidense Cygnus à Estação Espacial Internacional.
© Foto / Facebook/RoscosmosPela primeira vez, duas naves espaciais – a estadunidense Cygnus e a russa Progress MS10 – estão sendo acopladas à Estação Espacial Internacional simultaneamente.
Pela primeira vez, duas naves espaciais – a estadunidense Cygnus e a russa Progress MS10 – estão sendo acopladas à Estação Espacial Internacional simultaneamente - Sputnik Brasil
6/15
Pela primeira vez, duas naves espaciais – a estadunidense Cygnus e a russa Progress MS10 – estão sendo acopladas à Estação Espacial Internacional simultaneamente.
© NASA . NASA, JPL-CaltechSupernova Cas A, na constelação de Cassiopeia, ajudou os astrônomos a revelar qual destino espera a Terra e outros planetas do Sistema Solar após a morte do Sol.
Supernova Cas A, na constelação de Cassiopeia, ajudou os astrônomos a revelar qual destino espera a Terra e outros planetas do Sistema Solar após a morte do Sol - Sputnik Brasil
7/15
Supernova Cas A, na constelação de Cassiopeia, ajudou os astrônomos a revelar qual destino espera a Terra e outros planetas do Sistema Solar após a morte do Sol.
© NASA . ESA/Hubble & NASA Imagem da galáxia anã ESO 338-4, que se encontra na constelação de Corona Australis, enviada aos cientistas da NASA e da ESA pelo telescópio espacial Hubble.
Imagem da galáxia anã ESO 338-4, que se encontra na constelação de Corona Australis, enviada aos cientistas da NASA e da ESA pelo telescópio espacial Hubble - Sputnik Brasil
8/15
Imagem da galáxia anã ESO 338-4, que se encontra na constelação de Corona Australis, enviada aos cientistas da NASA e da ESA pelo telescópio espacial Hubble.
© Foto / ESONebulosa Roseta, localizada na constelação de Monoceros, na Via Láctea, é influenciada por radiação das estrelas jovens, fazendo com que a nebulosa produza emissão, ou seja, fazendo-a brilhar.
Nebulosa Roseta, localizada na constelação de Monoceros, na Via Láctea, é influenciada por radiação das estrelas jovens, fazendo com que a nebulosa produza emissão, ou seja, fazendo-a brilhar - Sputnik Brasil
9/15
Nebulosa Roseta, localizada na constelação de Monoceros, na Via Láctea, é influenciada por radiação das estrelas jovens, fazendo com que a nebulosa produza emissão, ou seja, fazendo-a brilhar.
© Foto / ESO/Callingham et al.Nebulosa Apep, situada na constelação de Norma, no hemisfério celestial sul.
Nebulosa Apep, situada na constelação de Norma, no hemisfério celestial sul - Sputnik Brasil
10/15
Nebulosa Apep, situada na constelação de Norma, no hemisfério celestial sul.
© Foto / ESA-CNES-ArianespaceLançamento de míssil portador Soyuz ST-B do cosmódromo do Centro Espacial de Kourou, pertencente à Agência Espacial Europeia (ESA).
Lançamento de míssil portador Soyuz ST-B do cosmódromo do Centro Espacial de Kourou, pertencente à Agência Espacial Europeia (ESA) - Sputnik Brasil
11/15
Lançamento de míssil portador Soyuz ST-B do cosmódromo do Centro Espacial de Kourou, pertencente à Agência Espacial Europeia (ESA).
CC BY-SA 4.0 / ESA/Hubble & NASA / Different generations (cropped a photo)Aglomerado aberto estrelar NGC 1866, que se localiza na Grande Nuvem de Magalhães.
Aglomerado aberto estrelar NGC 1866, que se localiza na Grande Nuvem de Magalhães - Sputnik Brasil
12/15
Aglomerado aberto estrelar NGC 1866, que se localiza na Grande Nuvem de Magalhães.
© Foto / Twitter/Alexander Gerst Espaçonave cargueira japonesa H-II Transfer Vehicle, fotografada da EEI pelo astronauta alemão Alexander Gerst.
Espaçonave cargueira japonesa H-II Transfer Vehicle, fotografada da EEI pelo astronauta alemão Alexander Gerst - Sputnik Brasil
13/15
Espaçonave cargueira japonesa H-II Transfer Vehicle, fotografada da EEI pelo astronauta alemão Alexander Gerst.
© Foto / JPL-Caltech/CXC/ESA/NRAO/J. Rho (SETI Institute)Restos da supernova G54.1 + 0.3, encontrada pelo telescópio espacial Spitzer e pertencente à Agência Espacial Norte-Americana (NASA).
Restos da supernova G54.1 + 0.3, encontrada pelo telescópio espacial Spitzer e pertencente à Agência Espacial Norte-Americana (NASA) - Sputnik Brasil
14/15
Restos da supernova G54.1 + 0.3, encontrada pelo telescópio espacial Spitzer e pertencente à Agência Espacial Norte-Americana (NASA).
© NASA . NASA/JPL-Caltech/SwRI/MSSS/Gerald Eichstädt/Seán DoranNuvens de Júpiter gravadas pela sonda espacial da NASA.
Nuvens de Júpiter gravadas pela sonda espacial da NASA - Sputnik Brasil
15/15
Nuvens de Júpiter gravadas pela sonda espacial da NASA.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала