Federação Industrial da Venezuela pede para indexar salários para manter poder de compra

© REUTERS / Ueslei MarcelinoUm caixa conta notas de bolívar venezuelano em um mercado de rua no centro de Caracas, Venezuela (arquivo)
Um caixa conta notas de bolívar venezuelano em um mercado de rua no centro de Caracas, Venezuela (arquivo) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Os salários dos trabalhadores venezuelanos devem ser indexados para manter o poder de compra contra a inflação, disse à mídia local o presidente da Federação das Câmaras e Associações de Industriais da Venezuela (Fedeindustria), Orlando Camacho.

É aconselhável "estabelecer um mecanismo que permita a indexação dos salários utilizando um fator de referência que permita uma revisão periódica (…) e evite que ela se erode devido a desequilíbrios na economia", disse Camacho em entrevista à rádio local. União de Rádio.

Camacho ressaltou a importância de reconhecer o valor de reposição da matéria-prima, para definir um esquema de indexação através do qual os salários são revisados.

Trump se reúne com apoiadores na Pensilvânia. - Sputnik Brasil
EUA podem impôr tarifa sobre Iphones e Laptops importados da China, diz Trump
"Temos uma economia distorcida, como um empregador que devemos apoiar para contribuir para que o poder de compra dos venezuelanos seja mantido (…) porque se não tivermos poder de compra, os empresários também não podem vender seus produtos, é necessário contribuir para o mercado interno", explicou Camacho, que também é vice-presidente do Comitê de Economia da Assembleia Nacional Constituinte, composto apenas por funcionários pró-governo.

Em 17 de agosto, o presidente Nicolás Maduro decretou um aumento do salário mínimo, que então equivalia a menos de três dólares de acordo com a taxa de câmbio paralelo, para um montante de 1.800 bolívares, o equivalente a cerca de 30 dólares.

No entanto, esses 1.800 bolívares valeram 6,5 dólares na segunda-feira, de acordo com a evolução da taxa de câmbio que colocou a moeda em 275 bolívares por unidade.

O governo garantiu que procura enfrentar a crise econômica com o petro, uma criptografia ancorada no valor do petróleo que em 1º de outubro começou a funcionar como moeda de troca de compra e moeda conversível.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала