Análise de DNA revela segredos do misterioso 'unicórnio siberiano'

CC BY-SA 3.0 / DiBgd / Elasm062Elasmotherium sibiricum, conhecido como "unicórnio siberiano"
Elasmotherium sibiricum, conhecido como unicórnio siberiano - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Um grupo internacional de cientistas analisou pela primeira vez o DNA do extinto mamífero Elasmotherium sibiricum, conhecido como "unicórnio siberiano", e acabou revelando novos fatos sobre o animal misterioso, escreve a edição Science Alert.

A análise de DNA mostrou que o "unicórnio siberiano" não foi extinto 200 mil anos atrás, antes da última Idade do Gelo, como se tinha acreditado. O animal sobreviveu por muito mais tempo, desaparecendo há uns 35-36 mil anos, ou seja, na época em que os humanos começaram a povoar o estepe da Rússia, Cazaquistão, Mongólia e norte da China. Assim, sublinha a edição, os "unicórnios siberianos" poderiam ter vivido no planeta com os humanos modernos.

Outra descoberta surpreendente do estudo é que Elasmotherium sibiricum não possuía ligação direta com rinocerontes modernos, mas era uma linhagem única que se separou da linha que deu origem aos rinocerontes modernos há mais de 40 milhões de anos.

O monte Everest - Sputnik Brasil
Descoberto gelo 'quente' na geleira mais elevada do planeta
Até o momento, estudar o animal não foi fácil pela falta de fósseis. Antes foram descobertos apenas alguns ossos fragmentados que comprovaram apenas o tamanho do "unicórnio", que tinha umas 3,5 toneladas, como um pequeno elefante-africano.

Desta vez, especialistas coletaram 23 amostras de osso do mamífero e analisaram DNA.

Apesar da possível convivência com humanos, cientistas duvidam que o animal misterioso tenha sido extinto por essa razão. Alan Cooper, da Universidade de Adelaide (Austrália), explicou que a extinção aconteceu "durante um período de mudança climática, que não era extrema, mas, sim, causou muitos invernos muito mais frios o que, achamos, alterou a extinção das paisagens na área".

Ministro de Antiguidades, Khaled al-Anani, durante escavações arqueológicas na proximidade da cidade de Luxor, no sul do Egito - Sputnik Brasil
Tumba de servo do templo do deus Amon é encontrada no Egito (FOTOS)
A análise científica, por sua vez, demonstrou que Elasmotherium sibiricum se alimentava somente de erva.

O que ainda permanece sendo um enigma é o tamanho dos cornos dos mamíferos, já que nenhum foi encontrado. Porém, com base no tamanho da parte do crânio onde deveria ter crescido um corno, os cientistas acreditam corresponder a um metro de comprimento.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала