Trump critica May e diz que Brexit pode prejudicar acordo entre EUA e Reino Unido

© REUTERS / Kevin LamarqueUS President Donald Trump escorts British Prime Minister Theresa May after their meeting at the White House in Washington, US, January 27, 2017.
US President Donald Trump escorts British Prime Minister Theresa May after their meeting at the White House in Washington, US, January 27, 2017. - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O presidente dos EUA, Donald Trump, criticou a primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, dizendo que o acordo de divórcio que ela negociou com a União Europeia (UE) coloca em risco a capacidade da Grã-Bretanha de fechar um acordo comercial com os Estados Unidos.

Em seu primeiro comentário sobre o acordo Brexit, que May deve apresentar ao Parlamento no próximo mês, Trump disse que foi um "grande acordo para a UE", mas não tanto para a Grã-Bretanha.

"No momento em que o acordo se mantiver […] eles podem não conseguir negociar com os EUA e acho que não querem isso de jeito nenhum, o que seria um grande negativo para o acordo", afirmou Trump a jornalistas nesta segunda-feira na Casa Branca.

Trump argumentou que May deveria reiniciar as negociações com Bruxelas, com vista a garantir melhores condições para a Grã-Bretanha. Tanto a primeira-ministra britânica quanto as autoridades europeias disseram que isso não acontecerá.

Bandeira do Reino Unido perto do parlamento britânico, em Londres, em abril de 2017 - Sputnik Brasil
Especialistas respondem se Brexit seria bom ou ruim para a economia brasileira

Espera-se que May perca a votação do Parlamento em 11 de dezembro, já que o acordo que ela recebeu de Bruxelas foi criticado — até por seu próprio partido. Seu gabinete testemunhou um êxodo em massa de membros sobre os termos do documento, enquanto os defensores do Brexit dizem que seria melhor permanecer no país como parte da UE do que receber o que May recebeu.

Entre outras coisas, o acordo provisoriamente mantém a Grã-Bretanha como parte da união aduaneira da UE, o que significa que todas as suas importações estarão sujeitas a tarifas e padrões da UE, enquanto um acordo mais abrangente sobre o comércio é negociado. Nenhum prazo específico para tais negociações é definido, potencialmente protelando o processo nos próximos anos.

Trump foi um defensor da Grã-Bretanha deixando a UE em sua campanha, e até reivindicou crédito parcial por uma votação de férias. Durante sua turnê europeia no ano passado, ele criticou sua anfitriã britânica por não seguir seus conselhos sobre como pressionar melhor Bruxelas durante as negociações e ponderou que Boris Johnson, um forte defensor do Brexit e então ministro do Exterior, seria um grande primeiro-ministro da Grã-Bretanha.

Como parte de sua política "América Primeiro", Trump está pressionando os parceiros comerciais dos EUA a comprar mais produtos americanos, alegando que o déficit comercial de longo prazo é resultado de um tratamento injusto dos EUA por outras nações. Ele quer ter um acordo comercial bilateral com o Reino Unido, mas tal tratado não pode ser assinado enquanto a Grã-Bretanha vive sob as regras comerciais da UE.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала