Consequências serão duras em caso de quaisquer provocações, assegura deputado da Crimeia

© Sputnik / Aleksei Malgavko / Abrir o banco de imagensCaça-minas Kovrovets (à esquerda) e Ivan Golubets durante o Dia da Marinha da Rússia em Sevastopol, Crimeia
Caça-minas Kovrovets (à esquerda) e Ivan Golubets durante o Dia da Marinha da Rússia em Sevastopol, Crimeia - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Depois de aprovar a lei marcial na Ucrânia, é possível que as autoridades do país levem a cabo novas provocações em relação à Crimeia e Donbass, opina o deputado russo eleito pela península Andrei Kozenko. Não obstante, ele afirmou que nada ameaça a segurança dos cidadãos.

"Sem dúvida, há receio de provocações tanto relativamente à Crimeia, como a Donbass. No entanto, nada ameaça a segurança dos residentes da Crimeia, nisso podem estar todos absolutamente seguros. Qualquer atentado contra a fronteira nacional [russa] terá consequências duras para os provocadores", declarou o parlamentar.

Veículos anfíbios em formação junto ao navio pesado de desembarque César Kunikov durante as comemorações do Dia da Marinha em Sevastopol, Crimeia - Sputnik Brasil
FSB: navios ucranianos invadiram águas que sempre foram russas
Ao mesmo tempo, ele destacou que as autoproclamadas Repúblicas Populares de Donetsk e Lugansk, onde hoje Kiev  tenta igualmente provocar ações militares em resposta, também "são capazes de proteger seus cidadãos".

Nas palavras dele, todas as medidas necessárias para garantir a segurança de Donetsk e Lugansk serão tomadas nessas regiões:

"Todas as forças estão em alta prontidão de combate. Hoje é vital pôr fim a tais provocações de modo a não permitir a possibilidade de um conflito militar em grande escala, tão desejado pelos curadores da Ucrânia", concluiu.

Ontem (26), o presidente ucraniano Pyotr Poroshenko aprovou a proposta do Conselho de Segurança e Defesa Nacional para introdução da lei marcial no país depois do incidente no estreito de Kerch. Mais tarde, a lei marcial foi aprovada pelo parlamento ucraniano. A lei abrange diferentes partes do país e estará em vigor durante 30 dias. Mais cedo, foi anunciado que a Ucrânia tinha posto seu exército em alerta para o combate.

Vista do estreito de Kerch desde um avião - Sputnik Brasil
Kremlin sobre situação no estreito de Kerch: Rússia agiu conforme direito internacional
A decisão foi tomada após o incidente com três navios ucranianos no estreito de Kerch.

Incidente no estreito de Kerch

Em 25 de novembro, três navios da Marinha ucraniana, Berdyansk, Nikopol e Yany Kapu, violando os artigos 19 e 21 da Convenção da ONU sobre direito marítimo, atravessaram a fronteira da Rússia e realizaram manobras perigosas durante várias horas sem reagir às exigências das embarcações russas que os acompanhavam.

Foi tomada a decisão de usar armas. Todos os navios ucranianos foram detidos aproximadamente a 20 km da costa russa e a 50 km do local habitual de passagem dos navios no estreito de Kerch por baixo da Ponte da Crimeia.

Durante o incidente, três militares ucranianos ficaram levemente feridos. Eles receberam assistência médica e não correm risco de vida. A Rússia abriu um processo criminal por violação da fronteira.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала