Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Cientistas descobrem consequência chocante do terremoto que abalou Nova Zelândia

Nos siga no
Os cientistas do Instituto de Pesquisa da Coroa da Nova Zelândia, mais conhecido como GNS Science, concluíram que uma série de terremotos que abalaram o país em novembro de 2016 acabaram aproximando as duas ilhas do país e "afundando" uma das regiões.

Segundo informa o portal Phys.org, a aproximação aconteceu entre as ilhas do Norte e do Sul, embora tenha sido pequena, de apenas 35 centímetros. Já a cidade de Nelson, que fica no topo da ilha do Sul, "se afundou" em 20 milímetros.

Pessoas observam consequências do terremoto que sacudiu o Irã em 12 de novembro de 2017 - Sputnik Brasil
Irã: número de feridos em terremoto sobe para 716
O sismo de magnitude 7,8, que abalou o país em 14 de novembro, inicialmente reduziu a distância entre as ilhas em vários metros, e a partir daí as falhas sísmicas puxaram a ilha do Sul para mais norte.

Contudo, a distância entre o cabo Campbell, na ilha do Sul, onde acaba a maior falha, e a capital neozelandesa, Wellington, situada na ponta sul da ilha do Norte, continua bem grande, isto é, 50 quilômetros.

Um terremoto com magnitude entre 6,2 e 7,4 ocorreu na Nova Zelândia em 14 de novembro de 2016, com epicentro a 39 quilômetros da cidade de Kaikoura, deixando dois mortos e um sistema complexo de 25 falhas, o que dificulta o estabelecimento da falha responsável por este fenômeno de aproximação.

A Nova Zelândia fica na zona de colisão entre a placa indo-australiana e a placa do Pacífico, enquanto a última "mergulha" debaixo da primeira, criando calhas submarinas e elevando uma parte da Nova Zelândia. Nesse lugar ocorrem mais de 15 mil terremotos a cada ano, porém, dá para sentir apenas uma centena deles.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала