- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Moro escolhe delegados da Lava Jato para PF e departamento do Ministério da Justiça

© REUTERS / Daniel DereveckiO futuro ministro da Justiça e da Segurança Pública Sergio Moro.
O futuro ministro da Justiça e da Segurança Pública Sergio Moro. - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O juiz federal Sergio Moro, que assumirá o Ministério da Justiça no próximo governo, confirmou nesta terça-feira (20) os nomes dos delegados Maurício Valeixo para a direção-geral da Polícia Federal e Érika Marena para o Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica (DRCI).

Os dois policiais federais atuaram na Operação Lava Jato ao lado de Moro, que conduziu os processos na primeira instância da Justiça Federal em Curitiba. São delegados que contam com a confiança do futuro ministro e que atuam diretamente nas áreas que ele considera fundamentais.

Aécio Neves, citado nas gravações das conversas entre Romero Jucá e Sérgio Machado como o primeiro a ser comido caso a Lava-Jato prosseguisse - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Segunda Turma do STF desarquiva inquérito sobre Aécio Neves
Ex-diretor de Inteligência da PF e atual superintendente da Polícia Federal no Paraná, o delegado Mauricio Valeixo terá missões específicas na direção-geral, segundo Moro. "Ele irá fortalecer a Polícia Federal, direcionando as investigações com foco [no combate à] corrupção e [ao] crime organizado, que são dois problemas sérios do país."

Érika Marena foi no ano passado responsável pela Operação Ouvidos Moucos, que investigou supostas irregularidades na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Atualmente ela estava na Superintendência da Polícia Federal em Sergipe. As informações foram publicadas pela Agência Brasil.

Para Moro, Malena é o nome ideal para o posto. "A delegada tem minha plena confianca. O que aconteceu em Florianópolis foi uma tragédia. Toda solidariedade aos familiares do reitor, mas foi um infortúnio, um imprevisto no âmbito de uma investigação, mas a delegada nao tem responsabilidade quanto a isso", disse Moro sobre o caso do reitor Luiz Carlos Cancellier de Olivo, que foi um dos alvos da Operação Ouvidos Moucos. No ano passado, Olivo cometeu suicídio.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала