Geólogo se depara com as mais antigas pegadas de réptil já encontradas no planeta (FOTO)

Nos siga noTelegram
Um geólogo da Universidade de Nevada encontrou no Grand Canyon as marcas de 28 pegadas de possivelmente um réptil que viveu na América do Norte cerca de 310 milhões de anos atrás. As imagens foram apresentadas na reunião anual da Sociedade de Paleontologia Vertebral, em Albuquerque.

"Minha primeira impressão foi que eu estava olhando para uma coisa muito bizarra por causa dos movimentos laterais", destacou o geólogo Stephen Rowland, acrescentando que "parecia que dois animais parecidos com lagartos estavam andando lado a lado, sem fazer sentido algum".

O geólogo sugeriu que o animal "estivesse andando em uma ventania muito forte, e o vento estava jogando-o para as laterais", comunicou o portal ScienceDaily.

© Foto / Stephen Rowland/UNLVPegadas de réptil mais antigas já encontradas no planeta
Pegadas de réptil mais antigas já encontradas no planeta - Sputnik Brasil
Pegadas de réptil mais antigas já encontradas no planeta

Primeiros dinossauros, de acordo com paleontólogos, surgiram no fim do período Triássico, ou seja, há uns 240 milhões de anos, depois do desaparecimento de todos os pangolins grandes que dominavam a Terra. O concorrente principal dos dinossauros, como animais mais bem-sucedidos, eram os crocodilos — gigantes predadores que viviam tanto na água, como na terra.

Múmia (imagem referencial) - Sputnik Brasil
DNA decifrado da múmia mais antiga das Américas revela origem dos índios modernos
Dinossauros e crocodilos são parentes próximos, cujos antepassados se dividiram em meados do período Triássico. Como e quando isso aconteceu não se sabe, sendo fósseis deste período bem raros.

Recentemente, paleontólogos encontraram fósseis de dinossauros parecidos com crocodilos, o que reanimou e agravou discussões sobre a aparência e modo de se mover de répteis antigos.

Stephen Rowland descobriu durante escavações no Grand Canyon as pegadas mais antigas de uma criatura de antes da extinção dos pangolins. Na superfície de uma pedra arredondada, ele viu uma série de cavidades produzidas pelas patas de um réptil antigo não identificado.

Buraco negro renderizado pela NASA - Sputnik Brasil
Há um buraco negro girando tão rápido que poderia fazer espaço girar
Calculando a idade da pedra, paleontólogos revelaram que o animal foi um dos primeiros representantes da sua espécie, deixando pegadas que resistiram 310 milhões de anos, ou seja, 2 milhões de anos após o possível aparecimento dos répteis.

Em breve, Rowland planeja levar a pedra ao laboratório para examiná-la mais detalhadamente. Espera-se que sejam encontrados parentes dos primeiros répteis e a aparência do dono das pegadas.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала