Como pode uma guerra nuclear entre EUA e Rússia ser desencadeada?

Nos siga noTelegram
Uma possível guerra entre os EUA e a Rússia pode ser desencadeada com o uso de armas convencionais, após o que, num prazo entre vários dias e alguns meses, poderão ser usadas armas nucleares, afirma o analista.

No artigo publicado no semanário Voenno-Promyshlenny Kurier, o vice-presidente da Academia das Ciências de Mísseis e Artilharia Russa, Konstantin Sivkov, afirma que um sinal claro de que os EUA estariam prontos para um ataque seria a retirada do seu embaixador e dos funcionários da missão diplomática. 

Presidente dos EUA, Donald Trump, durante comício de campanha no Aeroporto Regional de Columbia (COU), no estado norte-americano de Missouri, em 1 de novembro de 2018 - Sputnik Brasil
Trump acha que sua abordagem à Coreia do Norte salvou mundo de guerra nuclear
Além disso, Washington poderia enviar tropas para perto das fronteiras russas sob o pretexto de manobras e criar um grupo aeronaval nas regiões de onde poderiam ser realizados ataques contra o território russo.

Segundo o analista, essas ações dariam à Rússia tempo para implementar medidas preventivas, tais como um ataque preventivo com armas não nucleares contra os lugares de baseamento dos mísseis balísticos e de cruzeiro apontados para a Rússia. Para realizar essas medidas, Moscou poderia usar sistemas Kalibr, X-101 e Kinzhal.

Tendo em consideração a saída dos EUA do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF), Sivkov propôs desenvolver e entregar ao exército mísseis de médio alcance com ogivas nucleares para ampliar o potencial russo da contenção nuclear. De acordo com o analista, a existência de projetos soviéticos nesta área permitiriam criar tal arma rapidamente e com baixo custo. 

Datado de 1987, o Tratado INF previa a eliminação dos mísseis balísticos e de cruzeiro, nucleares ou convencionais, cujo alcance estivesse entre 500 e 5.500 quilômetros.

O presidente de Cuba, Miguel Diaz-Canel (à esquerda) e o presidente da Rússia, Vladimir Putin (à direita), durante encontro em Moscou. - Sputnik Brasil
Rússia e Cuba expressam 'séria preocupação' sobre saída dos EUA do INF
Além disso, o acordo permite a qualquer uma das partes inspecionar as instalações militares da outra. De fato, o acordo tem prazo indeterminado, mas qualquer das partes pode rompê-lo caso apresente provas sólidas de violação. Os Estados Unidos e a Rússia já se acusaram repetidamente de violar o tratado.

Em 20 de outubro deste ano, o presidente dos EUA, Donald Trump, declarou que seu país abandonaria o Tratado INF, alegando supostas violações do documento pela Rússia. O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, por sua vez, disse que a Rússia tem dúvidas sobre o cumprimento do acordo por parte de Washington. Moscou aponta que os EUA têm nas suas bases militares na Polônia e Roménia instalações capazes de lançar mísseis de cruzeiro do tipo Tomahawk, o que contradiz o tratado.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала