Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para
 - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Caso Marielle terá 'investigação da investigação'

© Foto / Dayane Pires/Divulgação/ Câmara Municipal do Rio de JaneiroMarielle Franco, vereadora pelo PSOL, assassinada na noite do dia 14 de março
Marielle Franco, vereadora pelo PSOL, assassinada na noite do dia 14 de março - Sputnik Brasil
Nos siga no
O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, afirmou nesta quinta-feira (1) que a Polícia Federal (PF) trabalha na investigação de uma suposta tentativa de acobertar o assassinato da vereadora Marielle Franco e seu motorista Anderson Gomes.

"Vão ter duas investigações em paralelo, a da morte de Marielle continua. Mas vai ter outro eixo, que vai investigar, seja quem está dentro do poder público, ou quem está fora. É uma investigação da investigação, vamos assim dizer", disse em coletiva de imprensa.

A investigação responde a um pedido da Procuradoria-Geral da República. Segundo o ministro, duas testemunhas apontaram pessoas envolvidas no crime que estão dentro do poder público para barrar a investigação.

Homem desvia de militares na Rocinha. - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Força contra força não basta: é hora de fazer trabalho de Inteligência no Rio?
O assassinato da vereadora do Psol ocorreu em 14 de março e, no mês de agosto, Jungmann ofereceu o auxílio da Polícia Federal para apurar o episódio. A oferta, contudo, foi recusada pela Polícia Civil carioca — que cuida da elucidação do crime.

A afirmação de Jungmann ocorre após o miliciano Orlando de Oliveira Araújo, o Orlando da Curicica, afirmar em entrevista ao jornal O Globo que existe uma tentativa de barrar a investigação do duplo homicídio.

"O que tenho a dizer, ninguém gostaria de ouvir: existe no Rio hoje um batalhão de assassinos agindo por dinheiro, a maioria oriunda da contravenção. A Divisão de Homicídios e o chefe de Polícia Civil, Rivaldo Barbosa, sabem quem são, mas recebem dinheiro de contraventores para não tocar ou direcionar as investigações, criando assim uma rede de proteção para que a contravenção mate quem quiser. Diga, nos últimos anos, qual caso de homicídio teve como alvo de investigação algum contraventor?"

Ainda de acordo com Curicica, o crime seria uma maneira de atingir o deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL).

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала