Enviado dos EUA ameaça países da União Europeia contra o gasoduto Nord Stream 2

© Sputnik / Aksel Shmidt / Abrir o banco de imagensNord Stream 2, em construção no Mar Báltico.
Nord Stream 2, em construção no Mar Báltico. - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Washington tem exercido pressão externa sobre os países da UE em relação ao projeto russo-europeu Nord Stream 2 e repetidamente ameaçou impor sanções às entidades envolvidas. Os EUA citam razões de segurança e independência energética, ao mesmo tempo em que promovem o GNL norte-americano.

O embaixador dos EUA em Bruxelas, Gordon Sondland, expressou uma "ameaça flagrante" ao empreendimento russo-europeu Nord Stream 2 (Corrente do Norte 2), que deverá entregar gás diretamente para a Alemanha através do Mar Báltico. O Der Spiegel reportou que o diplomata prometeu um "empurrão contra quaisquer projetos de energia que entrem em conflito com os interesses dos EUA" por meios diplomáticos ou "medidas mais fortes".

Trump e Merkel em coletiva realizada em Washington - Sputnik Brasil
Trump: Alemanha é 'completamente' controlada pelo gás russo
O recém-nomeado enviado dos EUA confrontou os alemães em várias questões durante sua primeira reunião informal com autoridades dos países da UE. A reportagem cita um documento divulgado pela missão alemã em Bruxelas, que resumiu o encontro. Apesar de seu tom amistoso, Sondland é considerado "duro sobre o assunto e fiel à abordagem de confronto do governo Trump em relação aos pontos de embate".

Os Estados Unidos fizeram várias tentativas para impedir a implementação do projeto Nord Stream 2, criticando a dependência da Alemanha em relação ao combustível russo. Washington chegou a incorpoar uma provisão para neutralizar a construção do gasoduto com possíveis sanções. Enquanto isso, alguns especialistas apontam que os EUA desejam aumentar suas exportações de gás natural liquefeito para a União Europeia e Ucrânia, que podem sofrer quedas de receita de trânsito se a Linha 2 se tornar operacional, bem como uma perda de 2 a 3% do PIB.

No entanto, Gordon teria negado que sua posição poderia ter algo a ver com o desejo de Washington de vender mais gás natural liquefeito (GNL) para a Europa. No entanto, ele se disse "satisfeito" com os planos recém-anunciados do governo alemão para financiar a construção de um terminal de GNL na Alemanha.

Tubulações para construção do gasoduto Nord Stream 2, Alemanha, 28 de fevereiro de 2018 - Sputnik Brasil
AFD: 'Trump não tem o direito de interferir nos assuntos da Alemanha ligados ao gás russo'
A matéria do Der Spiegel provocou irritação entre os políticos alemães, de acordo com Der Spiegel. O chefe da coalizão CDU / CSU no Parlamento Europeu, Daniel Caspary, disse à agência de notícias que o presidente dos Estados Unidos gostaria de "vender mais gasolina e, em segundo lugar, que os russos vendem menos".

Um deputado alemão representando o Die Linke, Andrej Hunko, disse que as declarações constituem um "ato ultrajante" se a reportagem se mostrar correta. Ele insiste que a Alemanha não deve gastar milhões no financiamento do gás dos EUA, o que é extremamente prejudicial para o meio ambiente.

O Nord Stream 2 é uma joint venture entre a gigante de gás russa Gazprom e cinco empresas europeias. O objetivo do projeto é fornecer 55 bilhões de metros cúbicos de gás natural russo anualmente diretamente para a União Europeia em todo o Mar Báltico.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала