Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Mísseis dos EUA na Europa serão 'pistola apontada para têmpora da Rússia', indica analista

© AP Photo / Marek LisSistema de mísseis Patriot, fornecido pelos EUA, é estacionado em uma base militar da cidade polonesa de Morąg (foto de arquivo)
Sistema de mísseis Patriot, fornecido pelos EUA, é estacionado em uma base militar da cidade polonesa de Morąg (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Nos siga no
O presidente russo, Vladimir Putin, prometeu responder se os EUA instalarem novos mísseis na Europa. E, de acordo com um especialista em segurança internacional, a Rússia tem recursos suficientes para se proteger.

Previamente, Vladimir Putin declarou que Moscou tomará medidas correspondentes caso novos mísseis estadunidenses sejam instalados em países europeus. Assim, o líder russo comentou a possível saída dos EUA do Tratado INF.

Presidente dos EUA, Donald Trump, e seu homólogo russo, Vladimir Putin, durante a reunião em Helsinque, Finlândia - Sputnik Brasil
Imprensa dos EUA chama a saída dos EUA do Tratado INF de 'presente para Rússia'
Ademais, ele sublinhou que, nessa situação, os países que aceitarem instalação de mísseis americanos correrão perigo de possível ataque de resposta.

Ao mesmo tempo, presidente russo destacou que não há nenhum sentido e razão para levar a Europa até tal ameaça, adicionando que não é a intenção da Rússia.

Nessa conexão, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, o especialista em segurança internacional Igor Nikolaichuk indicou de que modo Rússia poderia responder se isso acontecer.

"É sempre um segredo de guerra. A medida mais simples é restaurar nossos sistemas de médio alcance. As autoridades russas tomarão decisão conforme a situação. Neste caso, a Rússia tem suficientes recursos, potencial e vontade política para criar um sistema de contrapesos que nos protegerá."

Valentina Matvienko, presidente do Conselho da Federação da Rússia - Sputnik Brasil
Corrida armamentista: Rússia vai responder à saída dos EUA do Tratado INF, diz senadora
No entanto, na opinião do especialista, a saída dos EUA do Tratado INF agravará bruscamente a situação internacional.

"Claro que a saída dos norte-americanos do Tratado INF violará gravemente a segurança mundial, pois aparecerá uma classe inteira de armas que vão ser instaladas e utilizadas", afirmou.

Assim, "surgirá, não um 'barril de pólvora' [que agora corresponderia a mísseis com ogiva nuclear], mas vários de uma só vez, e talvez, até mais", enfatizou.

"A lógica da vida é assim: quando um rifle é pendurado no primeiro ato [de uma peça teatral], será disparado inevitavelmente no segundo. É a lei não só no gênero teatral, mas também na política internacional. Não se trata de uma simples manobra política, isso pode ser considerado preparação para uma guerra", explicou.

Ademais, o especialista está seguro de que "uma arma sempre tem como alvo um inimigo concreto. Não há dúvidas de que mísseis de médio alcance estadunidenses, que serão instalados na Europa, visam se preparar para guerra contra nós, ao invés de proteger países europeus. Será uma pistola apontada para têmpora da Rússia".

O Tratado INF, assinado por Washington e Moscou em 1987, não tem data de expiração e proíbe as partes de ter mísseis balísticos terrestres ou mísseis de cruzeiro com alcance entre 500 e 5.500 quilômetros.

Em 20 de outubro, o presidente dos EUA, Donald Trump, declarou que seu país abandonaria o Tratado INF, alegando supostas violações do acordo pela Rússia.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала