EUA lançam campanha cibernética contra 'trolls' estrangeiros antes de eleições em novembro

CC0 / / Internet
Internet - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O Comando Cibernético dos EUA está enviando mensagens diretas para suspeitos de serem "trolls" russos, um esforço para impedi-los de interferirem mais uma vez nas eleições americanas.

As mensagens dizem aos trolls que as autoridades norte-americanas os identificaram e os estão rastreando, informou o New York Times com base no relato de oficiais que atuam na operação.

Soldados norte-americanos - Sputnik Brasil
Exército dos EUA poderia impedir suposta interferência russa em eleições, assegura Mattis
Esta é a primeira missão "externa" a proteger as eleições dos EUA segundo o NYT. O jornal detalhou ainda que autoridades dos EUA estão viajando para outros países para ajudar a melhorar a segurança cibernética em torno de infraestruturas importantes. Não está claro, porém, o porquê da operação ser caracterizada como "externa" quando parece ter ocorrido inteiramente no ciberespaço.

Os agentes envolvivos na força-tarefa que falaram ao NYT não quiseram dizer quantas pessoas estão sendo investigadas e nem suas respectivas identidades. Também não foi explicitado como as autoridades conseguem enviar mensagens diretamente para os trolls. Supostamente, o contato acontece via e-mail ou através de mensagens em redes sociais.

Oficiais seniores citados pelo New York Times disseram que o Comando Cibernético não estava "ameaçando" os trolls, embora o aviso contenha advertência quanto ao possível uso de sanções e processos criminais.

UN General Secretary Antonio Guterres listens as US President Donald Trump (C) opens the UN Security Council meeting on September 26, 2018 in New York on the sidelines of the UN General Assembly - Sputnik Brasil
Trump diz ter evidências de ‘interferência chinesa' nas eleições deste ano nos EUA
Acusada de interferir nas eleições de 2016, a Agência de Pesquisa na Internet, está sendo observada de perto. Americanos acusam a empresa de ser administrada pelo Kremlin. Doze russos acusados ​​de interferência nas eleições já foram indiciados pelo conselheiro especial norte-americano Robert Mueller, que lidera a investigação sobre alegações de conluio entre a equipe de campanha do agora presidente dos EUA, Donald Trump, e da Rússia.

A ação atual, liderada pelo Comando Cibernético dos Estados Unidos, tem também o objetivo de hackear grupos financiados por oligarcas e agentes de inteligência russos acusados ​​de fazer parte da suposta rede de desinformação do Kremlin. Moscou nega constantemente as acusações, afirmando que denúncias de conluio têm sido usadas por autoridades americanas para desviar o foco de problemas domésticos.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала