Não mais inimigo? Como Trump empurrou Europa para se aproximar da Rússia

© Sputnik / Vladimir SergeevBandeiras da Rússia e da União Europeia (arquivo)
Bandeiras da Rússia e da União Europeia (arquivo) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Países europeus começaram a pensar em criar seu próprio sistema de defesa e a fortalecer laços com a Rússia, ao invés de tratá-la como vizinho inimigo, diz um artigo do jornal espanhol El Pais.

Segundo o autor da matéria Carlos Yárnoz, na reavaliação europeia da imagem russa contribuiu o incidente com um caça espanhol que lançou acidentalmente um míssil no céu da Estônia, perto da fronteira russa, que poderia ter causado um conflito catastrófico.

O então candidato republicano à presidência dos EUA, Donald Trump, durante uma coletiva de imprensa na Trump Tower, em Nova York (arquivo) - Sputnik Brasil
Trump revela principal ameaça para sua presidência
Desde então, países europeus começaram a se perguntar se é lógico ter tantos aviões da OTAN voando perto das fronteiras russas, escalando a situação, e se não chegou o momento de começar a cooperar com Moscou e deixar de tratar o país eslavo como inimigo.

Para Yárnoz, a razão principal da instabilidade entre a OTAN e a Rússia é o fato de Washington sempre considerar Moscou a ameaça principal para sua segurança, levando à ampliação da Aliança para o leste até as fronteiras russas. 

"É essa concepção estratégica norte-americana que tem empurrado permanentemente a Europa a se situar no último meio século frente a Moscou, impedindo o desenvolvimento de uma política de vizinhança mais distendida", opina o colunista.

Porém, "as alianças, as ameaças e as estratégias estão mudando rapidamente", acrescenta o autor, em primeiro lugar devido à presidência de Donald Trump, que apoia saída do Reino Unido da União Europeia, e que abandonou o acordo nuclear iraniano, tornando os EUA parceiros inconfiáveis aos olhos da Europa. Além disso, o líder estadunidense se aproximou do presidente russo Vladimir Putin, deixando a Europa assustada em perder influência no palco internacional.

Bandeira dos Estados Unidos da América - Sputnik Brasil
Sanções dos EUA causam efeito inesperado na Rússia, escreve WSJ
Estes fatores incentivaram as tendências europeias para a aproximação com a Rússia, que ainda por cima é o país que mais fornece energia para a Europa.

O colunista sublinha que países europeus avançaram na criação de próprio sistema de defesa neste ano mais do que nas seis décadas de existência da UE. E uma das primeiras consequências de tal estratégia será a percepção da Rússia "como país vizinho, sócio, potencial aliado, e não um inimigo".

No dia 7 de agosto, um caça espanhol disparou acidentalmente no espaço aéreo da Estônia um míssil ar-ar AIM-120 AMRAAM que voou 80 quilômetros e teria caído em uma zona florestal. Porém, após verificação do potencial local da queda, militares estonianos não encontraram nem míssil nem seus fragmentos e em breve terminaram a busca ativa.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала