Astrônomos descobrem planetas anômalos com comportamentos inexplicáveis

Nos siga noTelegram
Os cientistas da Universidade de Cambridge, Reino Unido, detectaram uma estrela jovem ao redor da qual giram quatro gigantes gasosos de tamanhos comparáveis a Júpiter ou Saturno. No entanto, esse sistema e suas caraterísticas não parecem reais, o que faz os astrônomos buscarem respostas.

De acordo com os pesquisadores britânicos, os modelos teóricos mostram que a idade de um sistema semelhante deveria ser maior para que lá se conseguissem formar planetas tão grandes. Além disso, os corpos celestes giram em órbitas estranhas, comunica o portal Phys.org.

Visão artística do rover marciano, Opportunity, na superfície do Planeta Vermelho - Sputnik Brasil
NASA está esperançosa que ventos de Marte 'reanimem' rover sem conexão há meses
A estrela recém-descoberta CI Tau tem dois milhões de anos de idade. Está afastada da Terra a uma distância de 500 anos-luz. Os astrônomos já sabiam que esse sistema planetário possui pelo menos um planeta considerado como gigante gasoso. Mas as recentes observações realizadas através dos telescópios Atacama Large Millimeter Array (Chile) revelaram que no disco do sistema há "rompimentos" que apontam para a existência de mais três planetas com grandes massas.

Os planetas giram a distâncias diferentes de sua estrela. Os dois gigantes gasosos exteriores têm massas parecidas com Saturno, mas suas órbitas são extremamente afastadas da estrela. Ao mesmo tempo, o terceiro planeta tem massa semelhante à de Júpiter, enquanto o quarto planeta supera em 10 vezes sua massa.

Impressão artística do Planeta Nove como um gigante de gelo eclipsando a Via Láctea central, com um Sol ao fundo. A órbita de Netuno é mostrada como uma pequena elipse ao redor do Sol - Sputnik Brasil
Revelada chance de vida extraterrestre se espalhar facilmente por toda a Via Láctea
Todas as outras estrelas conhecidas que possuem "júpiteres quentes" em seus sistemas (cerca de 1% de todas as estrelas) são centenas de vezes mais velhas que CI Tau. Por esta razão, e devido às outras anomalias acima mencionadas, até agora os cientistas não conseguem entender se o gigante gasoso foi transferido em direção à estrela graças à força gravitacional dos planetas vizinhos ou se isso foi resultado de qualquer outro evento. Ademais, não se sabe de que modo se formaram os dois planetas exteriores. Portanto, os astrônomos esperam que as futuras observações ajudem a coletar mais informações sobre este estranho sistema planetário.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала