África do Sul deve acelerar reforma agrária em favor dos negros, diz presidente

© AP Photo / Themba HadebeSouth Africa Deputy President Cyril Ramaphosa, kisses a reconstruction of Homo naledi's face during a news conference at Maropeng Cradle of Humankind World Heritage Site in Magaliesburg, South Africa, Thursday, Sept. 10, 2015
South Africa Deputy President Cyril Ramaphosa, kisses a reconstruction of Homo naledi's face during a news conference at Maropeng Cradle of Humankind World Heritage Site in Magaliesburg, South Africa, Thursday, Sept. 10, 2015 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, prometeu acelerar a controversa reforma agrária proposta pelo Congresso Nacional Africano (ANC) no começo deste ano e que acirrou a questão racial na nação africana.

"Estamos fazendo história e comemorando o retorno de sua terra hoje. Estamos corrigindo a injustiça histórica e devolvendo a terra a seus legítimos proprietários", disse o presidente na entrega de 4.856 hectares de terra para a comunidade de KwaMkhwanazi, em Empangeni, no nordeste de KwaZulu-Natal.

Ramaphosa admitiu que seu governo tem sido muito lento no processo de restituição e redistribuição de terras agrícolas, enfatizando que a terra é um pilar fundamental para a emancipação econômica e a liberdade.

"Estamos iniciando um programa de distribuição massiva de terras em nosso país. Nós estaremos retornando a terra de maneira massiva. Essa terra de Mkhwanazi é a primeira", afirmou o presidente. "Hoje estamos fazendo história, celebrando o retorno da terra ao nosso povo nessa área".

África (imagem referencial) - Sputnik Brasil
FMI anuncia apoio ao plano sul-africano de confiscar terras de fazendeiros brancos

A comunidade KwaMkhwanazi havia sido despejada das terras que possuía anteriormente em várias etapas: a primeira, logo após a Primeira Guerra Mundial, e depois na década de 1940, quando as operações comerciais de cana e madeira foram ampliadas.

A reforma agrária tornou-se uma questão quente tanto a nível nacional como internacional, uma vez que o governo sul-africano anunciou planos para alterar a Constituição, permitindo a expropriação de terras sem compensação. A nova lei permitiria que a terra fosse tirada dos fazendeiros brancos e redistribuída para a maioria negra sem-terra.

A política é supostamente destinada a eliminar uma desigualdade significativa na propriedade da terra na África do Sul. A reforma evocou um intenso debate internacional, juntamente com vários relatos da mídia de suposta violência contra agricultores brancos, incluindo assassinatos.

O passo também levantou profundas preocupações sobre o declínio na produção de alimentos e investimentos internacionais na economia. No entanto, o governo diz que a reforma agrária é absolutamente legal e não ameaçará a estabilidade da África do Sul.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала