EUA falam com Turquia em idioma chantagista e ameaçador, declara Erdogan

© Sputnik / Michael Klimentyev / Abrir o banco de imagensO presidente da Turquia Recep Tayyip Erdogan durante encontro com seu homólogo russo Vladimir Putin
O presidente da Turquia Recep Tayyip Erdogan durante encontro com seu homólogo russo Vladimir Putin - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A Turquia é bastante forte e não cederá às chantagens e ameaças usadas pelos EUA em relação ao país, declarou o líder turco Recep Tayyip Erdogan.

As relações entre Washington e Ancara têm agravado nos últimos tempos, inclusive por causa do pastor americano Andrew Brunson preso em outubro de 2016 pelas autoridades turcas durante a tentativa de golpe de Estado contra o presidente Erdogan.

O Departamento do Tesouro americano sancionou os chefes do Ministério da Justiça e do Ministério do Interior da Turquia, acusando-os de "violações sérias de direitos humanos".

Recep Tayyip Erdogan, presidente de Turquia (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Erdogan: Turquia continuará comprando gás iraniano apesar das sanções dos EUA
Posteriormente, o presidente norte-americano dobrou as tarifas sobre alumínio e aço da Turquia, passando a corresponde a 20% e 50% respectivamente, causando desvalorização da lira turca que entrou para a história.

Em resposta, Ancara aumentou bruscamente tarifas sobre 22 tipos de produtos importados dos EUA, tais como tabaco, álcool, automóveis, arroz, frutas, estimados em 533 milhões de dólares.

"Os EUA tomaram um caminho incorreto para resolução dos problemas políticos existentes não através de negociações, mas através de um idioma chantagista e ameaçador. Mas a nossa economia é bastante forte para resistir ameaças e ataques", declarou Erdogan perante deputados turcos.

Erdogan afirmou que o que preocupa mesmo os turcos é que os Estados Unidos escolheram a Turquia como alvo sem qualquer lógica e sem levar em consideração o balanço estratégico.

Para ele, os EUA não levam em consideração o que os turcos estão fazendo na Síria contra os terroristas e "continuam cooperando com organizações terroristas [Unidades de Proteção Popular curdas, que a Turquia considera serem ligadas ao Partido dos Trabalhadores do Curdistão, também proibido no país]. Essa abordagem negativa dos EUA é transferida também para a esfera econômica".

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, durante coletiva de imprensa após reunião da Organização de Cooperação Islâmica, em Instambul, em dezembro de 2017. - Sputnik Brasil
'Inaceitável': na ONU, Erdogan critica uso de sanções como arma
O presidente da Turquia chamou o caso Brunson, que "está sendo investigado devido aos seus laços com terroristas", de desculpa para introduzir sanções americanas contra a Turquia.

Erdogan destacou intenção de continuar agindo diplomaticamente, mostrando-se esperançoso que os EUA mudem posicionamento incorreto. Segundo o presidente turco, já estão surgindo alguns sinais de aproximação entre os dois países.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала