Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Ancara: presença militar turca em Idlib impede possível ataque à província

© AFP 2021 / BULENT KILIC Tanques turcos perto da fronteira com a Síria, Turquia (foto de arquivo)
Tanques turcos perto da fronteira com a Síria, Turquia (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Nos siga no
A presença de militares turcos na província síria de Idlib garante que nenhuma operação militar começará ali, segundo Ibrahim Kalin, porta-voz do presidente turco Recep Tayyip Erdogan.

"A presença dos soldados turcos naquela região é, talvez, a única garantia de que aí não comece uma operação militar, já que a Força Aeroespacial russa e as forças do governo [do presidente sírio Bashar al-Assad] não vão efetuar qualquer ofensiva enquanto os militares turcos estiverem presentes", assegurou Kalin em um artigo publicado na revista Daily Sabah.

Membros da defesa civil síria, mais conhecidos como Capacetes Brancos em Damasco (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Ativista: Capacetes Brancos pretendem usar reféns em suas provocações em Idlib
De acordo com ele, "qualquer ataque a Idlib sob pretexto de eliminar grupos terroristas prejudicaria o processo de negociações da Astana" para a paz na Síria.

"Idlib é uma mina de ação retardada, qualquer ataque a esta província síria não trará senão morte e destruições, o que provocaria uma nova onda de migração para a Turquia e para a Europa", assinalou o porta-voz do presidente turco.

O governo sírio declarou em julho que se reserva o direito de usar a força militar para recuperar a província de Idlib se os grupos armados que a controlam desde 2015 rejeitarem os termos de paz de Damasco.

No âmbito dos acordos com Damasco, combatentes que se recusaram a se render às forças do governo em Aleppo, Homs e Ghouta Oriental foram gradualmente se movendo para Idlib, que desde 2017 faz parte de uma zona de desescalada patrocinada pela Turquia.

Soldado norte-americano, à esquerda, sentado em veículo blindado perto da tensa linha de frente entre o Conselho Militar de Manbij, apoiado pelos EUA, e os combatentes apoiados pelos turcos, em Manbij, norte da Síria, 4 de abril de 2018 - Sputnik Brasil
EUA não vão cooperar com a Rússia em Idlib, diz Pentágono
No final de agosto, o Ministério da Defesa russo informou que os terroristas da Frente al-Nusra (proibida na Rússia e em vários outros países) estariam preparando uma provocação na província de Idlib com armas químicas contra civis a fim de acusar Damasco e dar um pretexto para a coalizão liderada pelos EUA atacar a Síria.

Desde 2011, a Síria tem sido palco de um grave conflito armado no qual as tropas do governo se confrontam com grupos armados de oposição e organizações terroristas.

A resolução do conflito está sendo procurada em duas plataformas: em Genebra, sob os auspícios da ONU, e na capital de Cazaquistão, Astana, copatrocinada pela Rússia, Turquia e Irã.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала