Paraguai retorna embaixada de Jerusalém para Tel Aviv, irrita Israel e agrada palestinos

Nos siga noTelegram
As autoridades palestinas saudaram a decisão do Paraguai de devolver sua embaixada em Israel de Jerusalém a Tel Aviv, afirmou o secretário do Comitê Executivo da Organização de Libertação da Palestina (OLP), Saeb Erekat.

O governo do Paraguai ordenou a transferência imediata de sua embaixada de Jerusalém para Tel Aviv, revertendo a política do governo anterior, tomada "unilateralmente", disse o ministro de Relações Exteriores, Luis Castiglioni, em uma entrevista coletiva nesta quarta-feira.

"Aprovamos a decisão do Paraguai de agir de acordo com seus compromissos no direito internacional e fechar a embaixada em Jerusalém, transferindo-a para Tel Aviv", comentou.

Segundo o representante palestino, "a decisão corajosa do presidente Abdo Benítez mostra que o governo do Paraguai decidiu voltar à posição tradicional da América Latina, baseada no respeito ao direito internacional e nas resoluções da ONU".

Presidente paraguaio, Horacio Cartes, sentado em frente ao seu homólogo israelense, Reuven Rivlin, na residência do presidente de Israel em Jerusalém, antes da cerimônia de inauguração da embaixada do Paraguai em Jerusalém - Sputnik Brasil
Paraguai inaugura embaixada em Jerusalém, seguindo exemplo dos EUA

O político pediu a todos os países que apoiam a Palestina, especialmente os países membros da Liga Árabe e a Organização da Cooperação Islâmica, que busquem formas de incentivar a cooperação e as relações bilaterais com o Paraguai.

Em maio passado, quando foi anunciada a mudança da embaixada, o ex-presidente paraguaio Horacio Cartes disse à Sputnik que o ato era "simplesmente colocar a história em seu lugar" e "uma reparação histórica", no âmbito das cerimônias de abertura.

O anúncio do Paraguai veio depois que os EUA e a Guatemala anunciaram o mesmo, no entanto, o atual presidente Mario Abdo Benítez (investido em 15 de agosto), que na época já havia sido eleito, criticou a decisão de seu antecessor.

Com o movimento paraguaio, somente a Guatemala e os EUA permanecem como Estados que romperam com o consenso mundial de não ter embaixadas em Jerusalém porque Israel ocupa a parte oriental da cidade desde 1967 e a anexou em 1980.

Após esse fato, a ONU aprovou uma resolução que instava todos os países a retirar suas embaixadas da cidade santa.

Israel fecha embaixada no Paraguai em resposta

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, ordenou o fechamento da embaixada de Israel no Paraguai na quarta-feira, horas depois que o novo governo da nação latino-americana anunciou que transferirá sua embaixada de Jerusalém para Tel Aviv.

A decisão do Paraguai foi um golpe para os esforços de Israel para obter o reconhecimento externo de Jerusalém como sua capital, que parece ter ganhado algum impulso neste ano com os Estados Unidos, a Guatemala e o Paraguai abrindo embaixadas lá. A maioria dos países não reconhece a soberania israelense sobre a cidade inteira e diz que seu status final deve ser estabelecido nas negociações de paz.

O chanceler do Paraguai chamou a reação de Israel de "desproporcional". O presidente do Paraguai, Mario Abdo, defendeu sua decisão como parte de um esforço para apoiar a "paz ampla, duradoura e justa" entre israelenses e palestinos.

"O Paraguai é um país de princípios", disse Abdo no Twitter.

Israel agiu rapidamente depois que a notícia foi divulgada e uma declaração em inglês do gabinete do primeiro-ministro disse: "Israel vê com extrema gravidade a decisão extraordinária do Paraguai, que obscurecerá as relações bilaterais".

Presidente do Paraguai, Mario Abdo Benítez, toma posse em 15 de agosto de 2018 - Sputnik Brasil
Novo presidente do Paraguai promete 'solidariedade' com Nicarágua e Venezuela

O status de Jerusalém é um dos mais espinhosos obstáculos para se chegar a um acordo de paz entre Israel e os palestinos. Israel considera toda a cidade, incluindo o setor oriental que anexou após a guerra de 1967, como sua capital.

Mas os palestinos, com amplo apoio internacional, querem Jerusalém Oriental para a capital de um futuro Estado que esperam estabelecer na Cisjordânia ocupada e na Faixa de Gaza. As negociações entre os dois lados foram interrompidas em 2014.

Em dezembro, o presidente dos EUA, Donald Trump, reconheceu Jerusalém como a capital de Israel, revertendo décadas de política dos EUA e perturbando o mundo árabe e os aliados ocidentais. Os Estados Unidos abriram uma nova embaixada em Jerusalém no dia 14 de maio. A Guatemala e depois o Paraguai abriram embaixadas lá depois.

Netanyahu tentou persuadir outros países a seguir seu exemplo.

Na quarta-feira, enquanto se encontrava com o primeiro-ministro búlgaro, Boyko Borissov, Netanyahu disse: "Aprecio sua decisão de abrir um consulado honorário em Jerusalém e espero, espero, que seja o primeiro passo para estabelecer a embaixada búlgara em Jerusalém".

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала