- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Indenização à família real por Palácio da Guanabara é uma aberração, diz historiador

© Foto / Reprodução/ Wikimedia CommonsPalácio da Guanabara, sede do governo do estado do Rio de Janeiro
Palácio da Guanabara, sede do governo do estado do Rio de Janeiro - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O Supremo Tribunal de Justiça (STJ) marcou para esta terça-feira (4) o julgamento de uma disputa entre a família real brasileira e a União sobre a propriedade do Palácio da Guanabara, sede do governo do estado do Rio de Janeiro, localizado no bairro das Laranjeiras, no Rio de Janeiro.

O processo que seria julgado pela 4ª Turma do STJ é o mais antigo do país. Ele foi feito em 1985 por ninguém menos que a princesa Isabel de Orleans e Bragança e pediu a devolução do imóvel que, após o fim da monarquia, passou a pertencer a União.

Em entrevista à Sputnik Brasil, Milton Teixeira, historiador e professor da Escola Técnica de Turismo do Rio de Janeiro, disse que o caso é "uma tentativa dos descendentes de aparecer na mídia".

"Nenhum governo quando proclama uma República paga qualquer indenização à família real ou imperial de qualquer espécie", afirmou.

A família real adquiriu o Palácio da Guanabara em 1864, com o dote dado pelo Estado para o casamento da princesa com o Conde d'Eu, como previa na Constituição da época.

Nicolás Maduro, presidente da Venezuela, em sua chegada à Cúpula do Mercosul no Palácio do Itamaraty, Brasília, Brasil - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Quais riscos o Brasil corre diante das sanções dos EUA na Venezuela?
Netos da princesa Isabel moveram uma outra ação em 1950 alegando que o governo não pagou indenização pela tomada do imóvel. Em primeira instância a família real perdeu as ações em favor da União do Estado do Rio, mas recursos movidos pelos herdeiros da família fizeram o processo chegar ao plenário do STJ.

Milton Teixeira comentou que até o conceito de propriedade privada na época do Império não existia e que, portanto, a ação em curso não tem como ser aceita.

"Quando se vive em uma monarquia o monarca é dono de tudo. Não existe o conceito de propriedade privada e quando é proclamada a República os bens são tirados do monarca e passam a pertencer a União", pontuou.

Em Petrópolis, cidade no interior do Rio de Janeiro conhecida como refúgio dos membros da monarquia brasileira durante o verão, os moradores da região central da cidade precisam pagar uma taxa para a família real quando um imóvel é vendido.

A ação que envolve o Palácio da Guanabara usa o caso de Petrópolis para justificar o pedido de indenização. Milton Teixeira disse que o embasamento no caso da cidade do interior fluminense não possui legitimidade.

"Você não pode se basear numa aberração para se definir um procedimento legal, isso não define jurisdição", completou.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала