'Teoria da inveja': eis o lado escuro do perfeccionismo

CC BY 2.0 / Bentonica / Mulher e espelho (foto referencial)
Mulher e espelho (foto referencial) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Pesquisadores da Universidade Estatal de Psicologia e Pedagogia de Moscou estudou o comportamento de centenas de estudantes, revelando a ligação entre o perfeccionismo e uma série de distúrbios psicológicos. Os resultados da pesquisa foram publicados na revista Konsultativnaya Psikhologiya i Psikhoterapia (Psicologia Consultiva e Psicoterapia).

Nos últimos anos, o número de transtornos de ansiedade e de depressões clínicas tem aumentado entre os estudantes. Segundo os especialistas, isso está relacionado ao aumento da competitividade (em várias esferas da vida) e às exigências feitas às crianças e aos jovens de hoje. 

Um dos fatores mais discutidos é o perfeccionismo, que pode ser definido como desejo excessivo pela perfeição. Este fator, junto com a inveja, a competitividade e a depressão, foi eleito indicador-chave na pesquisa da UEPPM.

"Entre os participantes da pesquisa, os maiores indicadores de depressão foram estabelecidos no grupo de 'perfeccionistas expressos'. Ou seja, esta característica é prévia aos sintomas de instabilidade emocional da juventude", comenta a professora do Departamento de Matemática Aplicada da Faculdade de Tecnologias Informáticas da UEPPM, Marina Sorokova.

Explosão nuclear (imagem referencial) - Sputnik Brasil
Sinistra previsão é exposta por cientistas: 'a vida tal como a conhecemos' acabará em 2040
Segundo ela, os indicadores de inveja e "orientação para a comparação social" se mostraram como fatores de ligação, estatisticamente válidos, entre o perfeccionismo e a depressão.

A teoria moderna da inveja diz que há duas vias para lidar com a dor provocada pela comparação social: a construtiva e a destrutiva.

A primeira sugere a conscientização da inveja e a prontidão de desenvolver os recursos próprios; já a segunda se foca na imperfeição e na ativação de manobras defensivas (seja lisonja ou hostilidade).

"Os nossos dados mostram que os estudantes que padecem de perfeccionismo expresso aderem à segunda via. Eles, geralmente, não fazem comparação de suas opiniões com as opiniões de outras pessoas nem elaboram posturas competitivas positivas que favorecem um verdadeiro desenvolvimento da personalidade", dizem as coautoras da publicação, professora Natalia Garanyan do Departamento de Psicologia Clínica e Psicoterapia e a aluna da UEPPM Aleksandria Klykova. 

Presidente do Brasil, Michel Temer, discursa em Brasília após arquivamento de denúncia contra ele por corrupção passiva - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
'Soberania em risco': cientista denuncia desmonte da Ciência no Brasil
Elas sublinham que os estudantes que demonstram perfeccionismo recorrem, mais frequentemente do que outros, à hipercompetitividade e usam estratégias pouco favoráveis de comparação (estratégias de contraste) para compensar o resultado desfavorável da comparação social e inveja. 

Os dados obtidos pelos psicólogos da UEPPM confirmam o paradoxo do perfeccionismo: surgindo na busca de respeito e amor de outras pessoas, esta qualidade pode minar as relações e condenar a pessoa à solidão.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала