Polícia encontra arquivos sobre empresários e espiões em casa de Cristina Kirchner

© Sputnik / Evgeny Biyatov / Abrir o banco de imagensA então presidente da Argentina, Cristina Fernández de Kirchner em encontro com Putin (arquivo)
A então presidente da Argentina, Cristina Fernández de Kirchner em encontro com Putin (arquivo) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Arquivos sobre empresários e agentes de inteligência de alta patente foram encontrados em um dos cofres de uma das casas da ex-presidente argentina Cristina Fernández de Kirchner durante buscas conduzidas como parte de um caso de suborno recentemente lançado, informou o jornal Clarín.

Os documentos foram descobertos em um cofre de concreto na casa em El Calafate. Policiais tiveram que usar equipamentos de escaneamento especiais para descobrir os arquivos no cofre.

Ex-presidente da Argentina, Cristina Kirchner, e o ex-presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva - Sputnik Brasil
Caça a líderes latino-americanos: Kirchner se junta aos alvos da Justiça na região
De acordo com o jornal, os arquivos incluíam informações sobre o empresário, membros do parlamento argentino, Francisco de Narvaez e o agente de inteligência argentino Jaime Stiuso. Os documentos também incluíram transcrições de gravações de escuta da mineradora de ouro Barrick Gold e traduções do escândalo de corrupção em torno da Petrobras.

Na quinta-feira, a polícia argentina começou a revistar o apartamento de Cristina em Buenos Aires e, mais tarde, do ex-presidente nas cidades de Rio Gallegos e El Calafate.

A mais recente investigação de suborno em torno dos Kirchner foi lançada no início de agosto, após reportagens sobre as anotações de um motorista de um empresário argentino alegando corrupção maciça por parte de funcionários do Estado.

Cristina Fernández de Kirchner, ex-presidente da Argentina - Sputnik Brasil
'Causa contra Cristina Kirchner é um disparate jurídico'
Kirchner já compareceu ao tribunal em 13 de agosto, mas recusou-se a responder suas perguntas, exigindo que o caso de suborno fosse encerrado e que o juiz e o promotor fossem exonerados. Segundo a mídia, o promotor Carlos Stornelli acredita que Kirchner recebeu US $ 160 milhões em propinas entre 2010 e 2015.

Em maio, a ex-presidente foi questionada pelo tribunal como parte de um caso separado de lavagem de dinheiro. Em 2016, mais uma investigação foi lançada contra Kirchner e vários outros oficiais de alto escalão sobre o suspeito de encobrir o envolvimento do Irã no ataque terrorista de 1994 em Buenos Aires.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала