Palestina: EUA cortaram ajuda para acabar com protestos por Jerusalém

© REUTERS / Mohamad TorokmanManifestante com a bandeira da Palestina
Manifestante com a bandeira da Palestina - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O porta-voz da presidência da Palestina afirmou neste sábado que a decisão dos Estados Unidos de cortar mais de 200 milhões de dólares em ajuda ao país árabe não passa de uma maneira encontrada por Washington para forçar os palestinos a parar de reivindicar parte do território de Jerusalém, cidade que os EUA já reconheceram como capital de Israel.

Em entrevista à Associated Press, Nabil Abu Rdeneh descreveu a medida como mais uma evidência da contínua pressão política e financeira imposta à liderança palestina. Mas, segundo ele, os norte-americanos precisam estar cientes de que não haverá paz na região enquanto Jerusalém Oriental não for reconhecida como capital de um futuro Estado da Palestina. 

Combinação de fotos do premiê israelense, Benjamin Netanyahu (à esquerda) e presidente turco, Recep Tayyip Erdogan (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Presidente turco: 'Jerusalém é a capital da Palestina e a reputação dos EUA é quase zero'

Nos últimos meses, militantes palestinos realizaram uma série de protestos contra a decisão do governo Donald Trump de reconhecer a cidade sagrada como capital de Israel. Manifestações ao longo da fronteira israelense acabaram desencadeando confrontos violentos, com grande número de mortos e feridos. 

Nesta semana, a Casa Branca anunciou que decidiu cortar a ajuda bilateral aos palestinos após revisar o financiamento a projetos na Cisjordânia e na Faixa de Gaza. De acordo com a administração Trump, o valor economizado será redirecionado para "projetos de alta prioridade" em outros lugares. 

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала